Alienum phaedrum torquatos nec eu, vis detraxit periculis ex, nihil expetendis in mei. Mei an pericula euripidis, hinc partem ei est. Eos ei nisl graecis, vix aperiri consequat aneius.

 

Gloss√°rio

Quantos não são os momentos em que nos deparamos com uma palavra ou até mesmo frase que, ou desconhecemos ou, num lapso de memória, não lembramos o significado. Normal, não é mesmo? Principalmente neste dia a dia corrido, que é o de Corretores de Imóveis.

Pois bem, pensando nisso, é que reunimos o máximo de termos utilizados na linguagem da corretagem de imóveis. Assim, toda vez que houver um lapso ou até mesmo você desconhecer o significado de um termo, acesse este link, com certeza você vai encontrar o que deseja. Mas se ele não constar aqui, envie para nós e o adicionaremos. Vamos lá?

Ah, em breve, teremos o glossário de palavras estrangeiras, essencial para quem trabalha com a corretagem em nível internacional. Sucesso!!!!

Clique no botão e conheça!

Para retornar ao índice, clique na seta azul, no canto inferior direito da página.

Termos Nacionais

Abrir Operação

Cancelar um neg√≥cio fechado, em que ocorreu erro reconhecido pelas partes, nas bolsas ou nas mesas de opera√ß√Ķes.

Acabamento (Fase de)

Est√°gio da obra repleto de detalhes. Com exce√ß√£o do revestimento e pintura da fachada, quase todos os outros processos acontecem na parte interna do pr√©dio. Al√©m dos revestimentos (paredes e pisos) √© na fase de acabamento que se instalam as pe√ßas dos banheiros e cozinha das unidades. Tamb√©m √© o momento para a coloca√ß√£o de portas, ferragens, metais, esquadrias, vidros, dentre outros detalhes. A pintura, tanto interna quanto externa, bem como a limpeza, s√£o os √ļltimos procedimentos do acabamento.

Ação de Despejo

1. Pedido à Justiça, feito por um proprietário, locador ou comprador de um imóvel, para obrigar o inquilino a desocupá-lo. | 2. Ação judicial pela qual o proprietário de um imóvel alugado, pretende obter a desocupação do referido imóvel de forma compulsória, ou seja, baseada em motivos explicitados em lei e independente da vontade do locatário.

Ação Revisional

Pedido que tramita na Justiça para que o valor do aluguel seja igualado ao valor de mercado, para cima ou para baixo. A revisão do aluguel não pode ser pedida quando já existe um prazo acertado de desocupação do imóvel.

Ação Revisional de Aluguel

A√ß√£o judicial pela qual o autor, propriet√°rio de im√≥vel alugado, pede a atualiza√ß√£o do valor do aluguel com base no pre√ßo de mercado. A revis√£o judicial s√≥ pode ser requerida ap√≥s tr√™s anos de vig√™ncia do contrato ou do √ļltimo acordo.

Administração Regional ou Subprefeitura

√ďrg√£o da administra√ß√£o municipal, ligado √† prefeitura, que responde por assuntos espec√≠ficos relacionados √† cada bairro e/ou regi√£o, como por exemplo, da cidade de S√£o Paulo. Parte do munic√≠pio √© administrada por um subprefeito.

Administrador ou Gestor de Ativos

Administra os papeis presentes nos fundos de investimento. O administrador analisa os ativos financeiros, em função da rentabilidade e do risco de cada um. Escolhe os mais adequados ao perfil do fundo e ao horizonte temporal do investidor. O termo administrador é o mais correto, sob o prisma legal.

Administradora Condominial

Empresa de prestação de serviços voltada para a administração de imóveis, em condomínio. Entre os serviços oferecidos, destacam-se a assessoria ao síndico do condomínio, em todos os aspectos legais e administrativos, tais como cobranças de despesas condominiais, pagamentos de despesas do condomínio, administração de pessoal, e.t.c.

Administradora Hoteleira

Empresa de prestação de serviços para administração de imóveis voltados para hospedagem, tais como hotéis, flats e long stay.

Agente Fiduci√°rio

Criado pela lei n.¬ļ 6.404/76 ‚ÄúLei das S/A‚ÄĚ, √© qualquer empresa credenciada pelo Banco Central para, dentre outras fun√ß√Ķes, promover a execu√ß√£o extrajudicial de empr√©stimos hipotec√°rios vinculados ao SFH.

Agente Financeiro

Institui√ß√£o p√ļblica ou privada que faz parte do Sistema Financeiro Nacional. Sua fun√ß√£o √© coletar, intermediar e aplicar recursos financeiros seus ou de outros, com autoriza√ß√£o do Banco Central do Brasil.

Alienação Fiduciária

Ato de transferência de um bem móvel ou imóvel do devedor para o credor, em garantia do pagamento da dívida. O devedor detém a posse direta do bem, para seu uso, e o credor detém a posse indireta do bem, que fica em seu domínio. Depois de quitar o empréstimo, o comprador adquire a propriedade definitiva do bem. Ocorre quando se adquire o imóvel através de um financiamento ou parcelamento, e o imóvel fica em garantia para o pagamento da dívida. O devedor detém a posse direta do bem, para seu uso, e o credor detém a posse indireta do bem, que fica em seu domínio. Depois de quitar o empréstimo, o comprador adquire a propriedade definitiva. A maioria dos financiamentos habitacionais, com contratos recentes, utilizam a alienação fiduciária no lugar da hipoteca.

Aluguel

Cessão ou empréstimo de um bem em troca do pagamento de uma taxa periódica, por extensão, chamada pelo mesmo nome, aluguel ou locação.

Aluguel por Temporada

Aluguel de im√≥vel com prazo m√°ximo de 90 dias. A lei n.¬ļ 8.245, de 1991, admite a cobran√ßa adiantada do valor acertado em contrato escrito.

Alvar√°

Documento emitido por √≥rg√£o p√ļblico competente, com autoriza√ß√£o para incorpora√ß√£o e/ou constru√ß√£o de projeto arquitet√īnico.

Alvará de Construção

Documento emitido por √≥rg√£o p√ļblico competente, que autoriza a incorpora√ß√£o e/ou constru√ß√£o de projeto arquitet√īnico.

Alvar√° Judicial

O alvará judicial consiste em uma ordem (documento), judicial ou administrativa, concedendo a alguém o direito de levantar certa quantia ou praticar determinado ato, quando este provar ser merecedor do direito ali previsto.

Alvenaria (Fase de)

1. Est√°gio da obra de uma constru√ß√£o, em que se realiza o fechamento do ‚Äúesqueleto‚ÄĚ do pr√©dio: alvenaria com blocos, pedra, tijolos e etc. | 2. Conjunto de elementos utilizados na constru√ß√£o de uma parede, muro ou alicerce.

Alvenaria pré-fabricada

Uso de paredes em alvenaria, pr√©-fabricadas, que podem ser feitas no canteiro de obra ou em um galp√£o. As paredes chegam √† obra com reboco dos dois lados e j√° com as instala√ß√Ķes el√©tricas e hidr√°ulicas.

Amortização

Pagamento peri√≥dico, realizado para abater, reduzir uma d√≠vida. Nos financiamentos, em geral, a amortiza√ß√£o √© feita por uma das parcelas que comp√Ķem as presta√ß√Ķes do financiamento.

Amortização Extraordinária

Pagamento extraordin√°rio, antes do prazo previsto, que deve corresponder a pelo menos 10% (dez por cento) do valor do saldo devedor.

Andar

√Č o volume compreendido entre dois pavimentos consecutivos ou entre o pavimento e o n√≠vel superior de sua cobertura.

Anuente

Aquele que est√° de acordo, que concorda.

Apartamento de Cobertura

Apartamento do √ļltimo andar de um pr√©dio, constru√≠do sobre a laje de cobertura do mesmo. No geral √© duplex e inclui uma parte ao ar livre, destinada ao lazer dos moradores. Pode tamb√©m ser linear, onde o apartamento e a √°rea livre descoberta, s√£o no mesmo piso, n√£o existindo dois pavimentos ou top house, que possui dois pavimentos e sua √°rea social. Salas e cozinha s√£o no primeiro pavimento, junto com a √°rea livre descoberta e os quartos, √°rea √≠ntima, no segundo pavimento.

Apartamento Duplex

Apartamento com dois andares.

Apartamento Modelo Decorado

Unidade modelo, geralmente montada no stand de vendas de lançamentos imobiliários, cuja finalidade é mostrar as características da planta dos apartamentos a serem construídos no local, bem como apresentar uma sugestão de decoração e mobília para os mesmos.

Apartamento Tipo

Diz-se da unidade-padrão de determinado edifício, o que exclui apartamentos de cobertura, geralmente com área e características diferenciadas do apartamento-tipo.

Apartamento Triplex

Apartamento com três andares ou pisos.

Apart-Hotel

Prédio de apartamentos com serviços de hotelaria, tais como refeitório, lavanderia e.t.c. No geral, o que diferencia o apart-hotel dos hotéis, é a presença de cozinha, ainda que conjugada.

Apólice

Documento emitido pela companhia de seguro, com os dados da cobertura de risco do segurado.

Aprovação de Projeto

Conjunto de an√°lises a que √© submetido determinado projeto arquitet√īnico, at√© que seja emitido o documento de licen√ßa, denominado alvar√°, autorizando sua incorpora√ß√£o e/ou constru√ß√£o.

Aquecimento Solar

Consiste na colocação de painéis solares, para proporcionar o aquecimento ou pré-aquecimento das águas de chuveiros, reduzindo, assim, o consumo de energia elétrica consideravelmente.

Are (Medida Agr√°ria)

1 Are (a) = 100 m² Рum are corresponde a 100m² (cem metros quadrados).

√Ārea Comput√°vel

√Āreas que devem ser consideradas em um projeto, visando o m√°ximo aproveitamento permitido para constru√ß√£o em um terreno.

√Ārea Comum

√Ārea de um condom√≠nio que pode ser utilizada por todos os moradores, como os corredores, o sagu√£o, hall de entrada, portaria, sal√£o de festas e √°rea de lazer.

√Ārea de Constru√ß√£o

Somatório das áreas, incluindo paredes e pisos, cobertos ou não, de todos os pavimentos de uma edificação.

√Ārea de Servi√ßo

Nos apartamentos, a parte destinada à lavanderia. Geralmente a área de serviço fica próxima à cozinha, dependências de empregados e entrada de serviço.

√Ārea Edificada

√Ārea total coberta de uma edifica√ß√£o, exceto as √°reas de po√ßos vazios e algumas sali√™ncias, marquises, com exce√ß√£o da √°rea do po√ßo do elevador, que dever√° ser considerada no c√°lculo da √°rea edificada de um √ļnico andar.

√Ārea n√£o Comput√°vel

Soma das diversas áreas que não entram no cálculo da área máxima de construção, permitida em determinado terreno (área computável), mas que ainda assim deve ser considerada na área total.

√Ārea Nobre

√Ārea que foi objeto de urbaniza√ß√£o mais planejada, com predomin√Ęncia de im√≥veis de padr√£o elevado, servida por completa infraestrutura de com√©rcio e servi√ßos, com consequente valoriza√ß√£o dos pre√ßos de terrenos e edifica√ß√Ķes nela existentes.

√Ārea Privativa

√Č a √°rea individual e particular de cada unidade residencial utilizada apenas pelo propriet√°rio de um im√≥vel multifamiliar, como pr√©dio de salas e lojas, apartamentos ou um condom√≠nio residencial. Na maioria dos casos conta-se, inclusive, as √°reas ocupadas por paredes. √Ārea sobre a qual o propriet√°rio tem dom√≠nio total, delimitada pela superf√≠cie externa das paredes.

√Ārea Total

Somat√≥ria da √°rea privativa da unidade aut√īnoma, com a √°rea comum de divis√£o proporcional entre os cond√īminos.

√Ārea Total de Prefeitura

Somatória de áreas que compreende a área computável e a área não-computável de determinada construção.

√Ārea Urbana

Região de um município que conta com melhoramentos mantidos pela prefeitura.

√Ārea √ötil

Soma das √°reas internas de cada c√īmodo do im√≥vel, de parede a parede, sem contar sua espessura. Antigamente tinha o sugestivo nome ‚Äú√°rea de vassoura‚ÄĚ.

√Ārea Verde

√Ārea do terreno com vegeta√ß√£o que integra o projeto paisag√≠stico do condom√≠nio.

Arquiteto

Profissional diplomado em Arquitetura que projeta a constru√ß√£o e reforma de edifica√ß√Ķes. Tamb√©m pode ser respons√°vel pelo planejamento de jardins, bairros e cidades.

Arquiteto Paisagista

Profissional que projeta paisagens decorativas de jardins e/ou parques.

Arquitetura

Disposi√ß√£o das partes ou elementos de um edif√≠cio ou espa√ßo urbano, levando-se em conta crit√©rios como funcionalidade, conforto e est√©tica, considerando os princ√≠pios, normas, materiais e t√©cnicas utilizados para criar o espa√ßo arquitet√īnico.

Arquitetura de Interiores

Segmento da Arquitetura que projeta a decoração de espaços já construídos.

Arrendamento

Contrato pelo qual alguém cede, à outra pessoa, por determinado período de tempo e preço, o uso e gozo de um bem não fungível, geralmente imóveis.

Arrendamento Mercantil

Aluguel de um bem m√≥vel ou im√≥vel (ve√≠culo, m√°quina, casa, apartamento) mediante o pagamento de contrapresta√ß√Ķes, peri√≥dicas, com a op√ß√£o de compra ao final.

Arrendar

Dar em arrendamento, alugar.

Arresto

Apreensão de bens não litigiosos, que não depende de sentença, por decisão judicial.

Assembleia de Instalação do Condomínio

Reuni√£o inaugural de cond√īminos quando geralmente, tamb√©m, est√£o presentes representantes da incorporadora e/ou construtora do empreendimento e da empresa que far√° a administra√ß√£o do mesmo. Na oportunidade, ainda podem ser eleitos o s√≠ndico, subs√≠ndico e conselheiros do condom√≠nio.

Assembleia Geral

Reuni√£o de cond√īminos com pauta previamente estabelecida, tamb√©m denominada ordem do dia, quando s√£o discutidos assuntos gerais de interesse do condom√≠nio. As decis√Ķes aprovadas em assembleia tornam-se obrigat√≥rias para todos os propriet√°rios.

Assembleia Geral Extraordin√°ria

Reunião de acionistas de uma companhia convocada para discutir e deliberar sobre assuntos de interesse social, exceto os pertinentes à Assembleia Geral Ordinária РAGO.

Assembleia Geral Ordin√°ria

Reunião de acionistas, de uma companhia, com convocação anual obrigatória pela diretoria, para:

a) tomada de contas dos administradores; | b) exame e vota√ß√£o das demonstra√ß√Ķes financeiras; | c) destina√ß√£o dos lucros; | d) distribui√ß√£o de dividendos; | e) elei√ß√£o dos administradores e Conselho Fiscal.

Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança РAbecip

Constitu√≠da no primeiro Encontro Nacional das Empresas de Cr√©dito Imobili√°rio e Poupan√ßa, realizado em S√£o Paulo, em agosto/1967, ao qual compareceram representantes de 34 companhias do setor. A cria√ß√£o da Associa√ß√£o, portanto, ficou marcada como o ponto mais alto deste encontro. Nele estavam presentes pioneiros do¬†financiamento imobili√°rio¬†no Brasil, como diretores e s√≥cios das sociedades de cr√©dito imobili√°rio e das associa√ß√Ķes de poupan√ßa e empr√©stimo, assim como advogados e corretores de im√≥veis. At√© hoje, por ser uma institui√ß√£o que agrega e organiza as principais ‚Äúfor√ßas‚ÄĚ do cr√©dito imobili√°rio e poupan√ßa, a Abecip desempenha um importante papel na estrutura√ß√£o do cr√©dito imobili√°rio no pa√≠s.

Associação Brasileira de Mercado de Capitais РAbamec

Entidade que promove o desenvolvimento do analista do mercado de capitais, zela pela pr√°tica de padr√Ķes √©ticos de conduta profissional e pelo aprimoramento t√©cnico dos profissionais da √°rea, em busca de melhoria da efici√™ncia do sistema e da maior transpar√™ncia poss√≠vel do mercado.

Associação Brasileira de Normas Técnicas РABNT

√ďrg√£o respons√°vel pela normaliza√ß√£o t√©cnica no Brasil, fornecendo insumos ao desenvolvimento tecnol√≥gico brasileiro. Trata-se de uma entidade privada, sem fins lucrativos e de utilidade p√ļblica, fundada em 1940. Ela estuda e prop√Ķe formas de sistematizar processos, sejam eles de cunho acad√™mico, tecnol√≥gico, industrial, produ√ß√£o de servi√ßos, dentre outros.

Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura РAsbea

Fundada em 1973, é uma entidade independente que congrega escritórios e empresas fornecedoras de produtos e serviços do setor da construção civil. As atividades da associação têm como objetivo acompanhar e difundir mudanças mercadológicas, identificando novos mercados, concorrentes, produtos e serviços.

Associação dos Dirigentes das Empresas do Mercado Imobiliário РAdemi

Organiza√ß√£o empresarial sem fins lucrativos, que re√ļne construtoras e incorporadoras em atividade. ¬†Al√©m de incentivar o crescimento do segmento da constru√ß√£o civil, impulsionar a economia do estado e valorizar o trabalho dos profissionais do segmento da constru√ß√£o.

Ata

Registro das discuss√Ķes e decis√Ķes tomadas por uma assembleia, como a de condom√≠nio.

√Ātico

Parte do volume superior de uma edificação, destinada a abrigar casa de máquinas, piso técnico de elevadores, caixas d’água e circulação vertical.

Auditoria Independente

Exame anal√≠tico da escritura√ß√£o cont√°bil de uma empresa, realizada de forma independente, sem nenhum v√≠nculo permanente com a empresa. Esta avalia√ß√£o busca dar maior credibilidade √†s informa√ß√Ķes divulgadas, bem como maior seguran√ßa para os usu√°rios das mesmas.

Aumento de Capital

Incorpora√ß√£o de reservas ou de novos recursos ao capital da empresa. Realizado mediante bonifica√ß√£o em a√ß√Ķes novas, eleva√ß√£o do valor nominal das a√ß√Ķes e/ou subscri√ß√£o pelos acionistas.

Autor do projeto

Profissional de arquitetura e/ou engenharia responsável pela concepção do projeto de arquitetura e/ou engenharia.

Aval

Garantia pessoal, plena e solidária, assegurando o pagamento de um título, nota promissória, cheque ou duplicata.

Avaliação

Atividade que envolve a determinação técnica do valor, preço, de mercado do imóvel, com base na análise de suas características.

Averbação

Anota√ß√£o feita pelo cart√≥rio de registro de im√≥veis de quaisquer altera√ß√Ķes que digam respeito ao propriet√°rio (chamada subjetiva) ou ao im√≥vel (objetiva), como a mudan√ßa no estado civil do dono ou no nome da rua do im√≥vel.

Banco Central do Brasil – BC ou Bacen

Autarquia federal criada em 1964, que formula, executa e acompanha a política monetária, emite o dinheiro brasileiro, organiza e disciplina o Sistema Financeiro Nacional e fiscaliza as atividades do Sistema Financeiro da Habitação РSFH.

Banco Nacional de Habitação РBNH

√ďrg√£o respons√°vel pela fiscaliza√ß√£o das atividades do Sistema Financeiro da Habita√ß√£o ‚Äď SFH, extinto em 1986 e substitu√≠do nessa fun√ß√£o pelo Banco Central.

Basculante

Dispositivo mec√Ęnico que opera com movimento de b√°sculo. Tamb√©m se utiliza o termo para o sistema empregado em portas e janelas, onde as pe√ßas giram em torno de um eixo at√© atingir posi√ß√£o perpendicular em rela√ß√£o ao batente ou √† esquadria, abrindo v√£os para ventila√ß√£o.

Benfeitorias

Obras ou reparos realizados num imóvel ou condomínio para melhorar seu estado, embelezá-lo ou solucionar um problema.

Benfeitorias (Aluguel)

Remuneração paga ao locador, em razão de um contrato de locação.

Bolsa de Valores

Local que oferece condi√ß√Ķes e sistemas necess√°rios para a realiza√ß√£o de negocia√ß√£o de compra e venda de t√≠tulos e valores mobili√°rios de forma transparente. Al√©m disso, tem atividade de auto regula√ß√£o que visa preservar elevados padr√Ķes √©ticos de negocia√ß√£o, e divulgar as opera√ß√Ķes executadas com rapidez, amplitude e detalhes.

Cadastro

Documento com informa√ß√Ķes sobre a idoneidade do inquilino, obtidas nos servi√ßos de prote√ß√£o do cr√©dito, como o Serasa, o Cadastro de Prote√ß√£o ao Inquilinato e Cart√≥rios de Protesto de T√≠tulos.

Cadastro de Imóveis

Registro p√ļblico mantido pela prefeitura, dos bens im√≥veis existentes no munic√≠pio.

Caibro

Peça de madeira para sustentação de telhado convencional.

Caixa Econ√īmica Federal – CEF

Fundada em 1861 pelo imperador D. Pedro II, a Caixa, além de banco comercial, é a instituição que mais financia a construção e compra de imóveis. Também administra, desde 1990, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço РFGTS e patrocina o esporte e a cultura.

Calafetação

Ato, processo ou efeito de calafetar. Impedir a passagem de líquidos ou de ar pela vedação, com massa apropriada, de fendas e frestas de pisos, telhados, janelas, portas etc.

Calha

Duto para captação e escoamento de águas pluviais, geralmente instalada em telhados.

Canteiro de obras

Conjunto de instala√ß√Ķes provis√≥rias de uma obra, onde geralmente realizam-se os servi√ßos auxiliares √† constru√ß√£o. O canteiro de obras pode abrigar dep√≥sito, alojamento e oficinas.

Capital

Soma de dinheiro que faz parte dos bens de uma pessoa ou uma empresa e também a quantia de dinheiro, financiada a alguém.

Capital de Risco

Aporte de recursos no capital de empresas, normalmente jovens e n√£o cotadas, para permitir que comecem a se desenvolver ou que expandam.

Capitalização de Juros

Acréscimo dos juros cobrados ao capital inicial e ao saldo devedor, provocando o cálculo de juro sobre juro, chamado juro composto ou capitalizado.

Carta de Crédito

Documento que concede o empréstimo de determinada quantia. No geral, tem validade de 30 dias a 90 dias, podendo ser prorrogado.

Carta de crédito

Documento concedido pelo banco (instituição financeira), ao pretendente de financiamento imobiliário, com crédito já aprovado, ou seja, após análise dos documentos solicitados e a realização de pesquisa a respeito do comprador. A carta de crédito é válida por 30 dias, prorrogáveis pelo mesmo período, a critério do banco. Tão logo escolha o imóvel a ser adquirido, o comprador deverá assinar um compromisso de compra e venda, com o vendedor. Esse contrato particular, juntamente com a documentação do imóvel e do vendedor, deve ser levado à instituição financeira, para efetivação do processo de financiamento.

Carteira Hipotec√°ria – CH

Linha de cr√©dito imobili√°rio, criada pelo ent√£o presidente Get√ļlio Vargas, em 1936, utilizada por grande parte dos bancos privados. Os valores, m√≠nimo e m√°ximo de financiamento, s√£o definidos pelas pr√≥prias institui√ß√Ķes financeiras, com juros livres. As taxas mais usuais praticadas no mercado variam de 12,5% a 16% ao ano. Os candidatos, a essa modalidade de financiamento, n√£o podem utilizar o saldo do FGTS como parte de pagamento, mas podem possuir outro im√≥vel (financiado ou n√£o). A garantia do banco √© a hipoteca do im√≥vel financiado.

Cartório de Registro de Imóveis

√ďrg√£o onde s√£o cadastrados todos os im√≥veis de determinada regi√£o. L√° se encontram todas as informa√ß√Ķes a respeito de cada im√≥vel: sua matr√≠cula, localiza√ß√£o, propriet√°rio, situa√ß√£o jur√≠dica, e hist√≥rico de todas as modifica√ß√Ķes e propriet√°rios que possa ter tido.

Cartório de Títulos e Notas

Entidade privada, com reconhecimento p√ļblico, que guarda t√≠tulos e documentos, faz registros p√ļblicos e lavra (redige) contratos.

Caução

Garantia, em forma de depósito, dada com títulos ou coisas de valor, inclusive dinheiro, de que determinada dívida contratual será paga: financiamento imobiliário, aluguel e.t.c.

Cavalete

Suporte m√≥vel, geralmente de madeira, no qual constam informa√ß√Ķes de lan√ßamentos imobili√°rios. Forma de comunica√ß√£o visual, geralmente colocada em ruas do bairro e entorno, onde se localiza o empreendimento divulgado.

Cedente

Aquele que cede ou faz cess√£o.

Centiare (Medida Agr√°ria)

1 centiare (ca) = 1 centésimo de are = 1m² Рum centiare é igual a um centésimo de are, que corresponde a 1m² (um metro quadrado)

Centralidade

√Č a capacidade de um espa√ßo de concentrar atividades e movimento, caracterizando-se pela anima√ß√£o e relacionando-se com densidade, acessibilidade, diversidade, disponibilidade de infraestrutura e servi√ßos.

Certid√£o

Documento expedido por um cart√≥rio, no qual √© poss√≠vel garantir a veracidade das informa√ß√Ķes pessoais: certid√£o de nascimento e/ou de casamento. Para o im√≥vel: matr√≠cula do im√≥vel. As certid√Ķes podem ser solicitadas por quaisquer pessoas.

Certidão de Registro de Imóveis

Documento expedido por um Cartório de Registro de Imóveis, onde é possível verificar a descrição do imóvel e seu titular/proprietário. Essa certidão pode ser requerida por qualquer pessoa, mediante pagamento de uma taxa.

Certid√£o Negativa

Documento que comprova a existência, ou não, de ação civil, criminal ou federal contra uma pessoa.

Cess√£o

Transferir, emprestar ou locar um bem a outra pessoa que é proprietário ou titular.

Cess√£o de Direitos

Transfer√™ncia de direitos e obriga√ß√Ķes de uma pessoa para outra, atrav√©s de um acordo celebrado entre ambas as partes.

Cession√°rio

Benefici√°rio de uma cess√£o, aquele a quem se faz uma cess√£o.

Cidade Informal

√Č o espa√ßo da cidade ocupado informalmente, √† revelia das legisla√ß√Ķes urban√≠sticas existentes no restante da cidade.

Cláusula Constituti (Constituto Possessório)

Expressão latina, usada como garantia contra a hipótese de que o vendedor possa vir a continuar a permanecer no imóvel, em face de algum desentendimento, mesmo após tê-lo transferido escrituralmente. E a alegação, certamente poderá precaver-se no fato da posse não ter sido objeto da escritura.

CMI Secovi

Associação de classe, fundada com o objetivo de corresponder aos interesses e auxiliar na organização, evolução e capacitação do mercado imobiliário.

Código de Defesa do Consumidor

Definido pela lei n.¬ļ 8.078, de 11/09/1990. Visa proteger os direitos do consumidor. A lei estabelece, como princ√≠pios fundamentais, a nulidade de cl√°usulas abusivas, a facilita√ß√£o da defesa, o prazo de reflex√£o e a responsabilidade do fornecedor por v√≠cio do produto ou servi√ßo.

C√≥digo de Obras e Edifica√ß√Ķes

O C√≥digo visa garantir, para seus usu√°rios, a qualidade das edifica√ß√Ķes e instala√ß√Ķes, definindo par√Ęmetros de seguran√ßa, conforto ambiental, higiene, salubridade, harmonia est√©tica, acessibilidade, entre outras determina√ß√Ķes para serem obedecidas no projeto, licenciamento, execu√ß√£o e manuten√ß√£o do empreendimento. Legisla√ß√£o municipal, o c√≥digo disciplina os procedimentos administrativos e executivos, e as regras gerais e especificas a serem obedecidas no projeto, licenciamento, execu√ß√£o, manuten√ß√£o e utiliza√ß√£o de obras, edifica√ß√Ķes e equipamentos, dentro dos limites dos im√≥veis em que se situam ‚Äď sem preju√≠zo do disposto nas legisla√ß√Ķes estadual e federal pertinentes, no √Ęmbito de suas respectivas compet√™ncias.

Comiss√£o

Honorários, remuneração em dinheiro, pagos à imobiliária ou corretor de imóveis, por serviços de negociação e negócios de compra e venda ou administração. Pagamento recebido pelo corretor de imóveis, como intermediário na transação imobiliária.

Comiss√£o de Valores Mobili√°rios – CVM

Entidade aut√°rquica em regime especial, vinculada ao Minist√©rio da Fazenda, com personalidade jur√≠dica e patrim√īnio pr√≥prios, dotada de autoridade administrativa independente, aus√™ncia de subordina√ß√£o hier√°rquica, mandato fixo e estabilidade de seus dirigentes, e autonomia financeira e or√ßament√°ria.

Comitê de investimentos

√Č o √≥rg√£o t√©cnico-decis√≥rio do Fundo, respons√°vel pela autoriza√ß√£o de investimentos, desinvestimentos e chamadas de capital, bem como pelo acompanhamento das companhias investidas pelo Fundo. √Č composto por membros da equipe do administrador e dos principais cotistas. Pode tamb√©m incluir pessoas de renomado conhecimento na √°rea.

Companhia Aberta

Companhia com valores mobiliários registrados na CVM, admitidos à negociação no mercado de títulos e valores mobiliários, de bolsa ou de balcão. A CVM pode classificar as companhias de capital aberto em categorias, conforme as espécies e classes dos valores mobiliários por ela emitidos, negociados nesses mercados.

Comprometimento de renda

Percentual da renda que o pretendente, a financiamento imobiliário, por exemplo, pode utilizar (comprometer) mensalmente, para o pagamento da prestação

Compromisso de Compra e Venda

Contrato entre duas partes em que o vendedor se compromete a vender seu bem, im√≥vel ou m√≥vel, e o comprador se compromete a compr√°-lo nas condi√ß√Ķes acertadas. Tamb√©m chamado Contrato de Compra e Venda ou Contrato de Promessa de Compra e Venda.

Comprovação de Renda

Exig√™ncia da institui√ß√£o financeira, de que o pretendente a financiamento comprove, com documentos, contracheque, carteira de trabalho, Declara√ß√£o do Imposto de Renda, que ganha o suficiente para arcar com as presta√ß√Ķes.

Condição de Compra e Venda

Parte do contrato de compra e venda em que o proprietário de um bem assume o compromisso de vendê-lo ao outro contratante, que, por sua vez, se compromete a comprá-lo no prazo e preço estipulados.

Condomínio

Edif√≠cio ou conjunto de casas que forma um todo e divide as despesas comuns. Condom√≠nio √© tamb√©m a maneira usual de se referir √† taxa ou encargo de condom√≠nio. A taxa de condom√≠nio resulta do rateio das despesas comuns ¬≠ uma divis√£o de acordo com as propor√ß√Ķes, ou cota, de cada im√≥vel, como a √°gua e a energia el√©trica utilizadas nas √°reas comuns, o sal√°rio dos funcion√°rios e a manuten√ß√£o de elevadores.

Condomínio de Casas (Condomínio Horizontal)

Conjunto composto por casas, geralmente fechado, cujos moradores dividem áreas e equipamentos comuns. Também conhecido como Condomínio de Casaco.

Cond√īmino

Dono, juntamente com outros; coproprietário. Maneira usual de se referir aos membros de um condomínio.

Conselho de Controle de Atividades Financeiras – Coaf

Trata-se de uma entidade do Minist√©rio da Fazenda, criada como uma Unidade de Intelig√™ncia Financeira ‚Äď UIF, que atua na preven√ß√£o dos crimes de lavagem de dinheiro, segundo a Lei 9.613 de mar√ßo/1998. O Coaf atua no territ√≥rio brasileiro, mas se interliga com v√°rios √≥rg√£os internacionais.

Conselho Federal de Corretores de Imóveis РCofeci

√ďrg√£o fiscalizador da profiss√£o, em √Ęmbito federal, criado pela necessidade de organizar a categoria e impedir o mau exerc√≠cio da atividade profissional. Vinculado ao Minist√©rio do Trabalho, mas com autonomia administrativa, operacional e financeira.

Conselho Regional de Corretores de Imóveis РCreci

√ďrg√£o de fiscaliza√ß√£o da profiss√£o, foi criado pela necessidade de organizar a categoria e impedir o mau exerc√≠cio da atividade profissional. Juridicamente, o Conselho representa uma autarquia corporativa, isto √©, uma organiza√ß√£o criada pelo Estado, mas que disp√Ķe de certa autonomia para dirigir uma s√©rie de fun√ß√Ķes ou servi√ßos de interesse coletivo. Mesmo com capacidade de autogest√£o, as autarquias pertencem ao Estado e est√£o sujeitos √† fiscaliza√ß√£o por parte do Tribunal de Contas da Uni√£o, sendo que as contribui√ß√Ķes cobradas, de seus membros, t√™m natureza de contribui√ß√£o social de interesse da categoria profissional.

Consolidação de Propriedade do Imóvel

Ato pelo qual há a reunião da mesma pessoa das qualidades de possuidor e de proprietário. Ocorre quando o credor, então possuidor indireto do imóvel, torna-se também possuidor direto, em razão da inadimplência do devedor.

Consórcio

modalidade de compra baseada na união de pessoas físicas ou jurídicas, em grupos, com a finalidade de formar poupança para a aquisição de bens móveis, imóveis ou serviços. A formação desses grupos é realizada por uma Administradora de Consórcios, autorizada e fiscalizada pelo Banco Central do Brasil.

Constituto Possessório (Cláusula Constituti)

Ocorre a transferência da propriedade, mas não a tradição da coisa. O alienante permanece exercendo a posse, porém não mais em nome próprio e sim em nome alheio. (Exemplo: o alienante vende o bem, mas continua exercendo a posse como locatário do adquirente).

Construtora

Empresa responsável pela construção de determinada obra.

Consultor imobili√°rio

Profissional da área de vendas do segmento imobiliário, que detém conhecimento suficiente para desenvolver um relacionamento proativo com os clientes. Além da exigência de ser corretor de imóveis credenciado, é necessário que o consultor imobiliário tenha uma visão global do mercado.

Contrapiso

Capeamento de argamassa para nivelar pisos, sobre o qual se aplica o revestimento definitivo.

Contrato

Acordo feito por escrito entre pessoas, entre empresas ou entre empresas e pessoas. Cada lado se obriga a cumprir o que está escrito no documento. Um contrato entre partes adquire força de lei, a não ser que contrarie uma lei maior.

Contrato de Ades√£o

Documento impresso com normas, necessariamente em linguagem fácil e letras legíveis, que deve ser assinado pela pessoa interessada em aderir a um negócio ou iniciativa estabelecidos, como um consórcio, por exemplo.

Contrato de Compra e Venda

Contrato em que s√£o pactuadas as condi√ß√Ķes de compra e venda de um im√≥vel. Documento pelo qual o vendedor obriga-se a transferir o dom√≠nio de certo bem ao comprador, no pre√ßo, prazo e demais condi√ß√Ķes ajustadas.

Contrato de Financiamento

Documento emitido pela institui√ß√£o financeira, onde s√£o estabelecidas as condi√ß√Ķes de pagamento, o valor do m√ļtuo, prazo, al√©m das garantias de um financiamento habitacional.

Contrato de Gaveta

Uma forma de registrar, no papel, o que duas pessoas combinam verbalmente, sem que isso represente um documento oficial. Por exemplo, algu√©m pode comprar um im√≥vel e prometer que pagar√° a d√≠vida em quatro parcelas. Para n√£o ficar apenas na palavra, o comprador ou o vendedor redige um contrato especificando as condi√ß√Ķes de pagamento. Como esse contrato n√£o ser√° registrado em cart√≥rio, dizemos que ele ficar√° guardado na gaveta e servir√°, apenas, para confirmar a combina√ß√£o, em caso de necessidade. Em outra situa√ß√£o, uma pessoa que ainda est√° pagando um financiamento, vende o im√≥vel para outra pessoa que se compromete a continuar pagando as presta√ß√Ķes restantes, sem que as transfer√™ncias do im√≥vel e da d√≠vida sejam feitas oficialmente. Para registrar o combinado, elas tamb√©m podem assinar um contrato de gaveta. √Č importante ressaltar que negocia√ß√Ķes do g√™nero envolvem bastante risco, o que exige que elas sejam feitas entre pessoas que tenha plena confian√ßa m√ļtua.

Contrato de Locação

Documento, por prazo determinado ou n√£o, que estabelece direitos e obriga√ß√Ķes entre locador (dono do bem) e locat√°rio (inquilino), que em troca do uso do im√≥vel, se compromete a pagar o valor do aluguel e outras obriga√ß√Ķes estabelecidas no mesmo. Tamb√©m chamado de contrato locat√≠cio ou contrato de aluguel.

Contrato de M√ļtuo

O mesmo que m√ļtuo.

Contrato de Promessa de Compra e Venda

Contrato pelo qual o proprietário de um bem assume o compromisso de vendê-lo ao outro contratante que, por sua vez, se compromete a comprá-lo no prazo e preço estipulados.

Convenção de Condomínio

Contrato social do condom√≠nio, que deve ser aprovado em assembleia por pelo menos 2/3 (dois ter√ßos) dos cond√īminos. Documento jur√≠dico que estabelece as normas de conviv√™ncia entre os cond√īminos, bem como a forma de utiliza√ß√£o das √°reas de uso exclusivo e comum, entre outros aspectos.

Cooperativa

Sociedade com pelo menos 20 membros, que colaboram por um objetivo comum: serviço, produção, poupança. As cooperativas habitacionais são formadas para construir casas para os cooperados, que contribuem com cotas-partes.

Correção Monetária

Mecanismo para atualizar o valor da moeda e seu poder de compra, com base em índice de inflação apurado no período. A correção monetária visa compensar os efeitos da inflação.

Corretagem

O mesmo que comiss√£o. √Č a remunera√ß√£o do corretor de im√≥veis

Corretor de Imóveis

Profissional responsável por intermediar a relação entre vendedor e comprador em uma transação imobiliária.

Corte

Representação gráfica de seção vertical (transversal ou longitudinal) de uma edificação.

Cozinha Americana

Cozinha com abertura para sala de estar e/ou jantar, geralmente delimitada apenas por um balcão. A sensação é de maior amplitude e integração dos ambientes do imóvel.

Crédito Associativo

Modalidade de crédito com recursos do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço РFGTS.

Crédito Habitacional

Empr√©stimo concedido pelas institui√ß√Ķes financeiras para comprar, construir, reformar ou financiar casa pr√≥pria.

Crédito Imobiliário

Crédito especializado, dirigido ao financiamento habitacional.

Disponível em dois sistemas:

a) Sistema Financeiro da Habita√ß√£oSFH – para opera√ß√Ķes de cunho social, voltado especialmente para classes sociais mais pobres; b) Sistema de Financiamento Imobili√°rioSFI – para opera√ß√Ķes de cunho comercial, subordinado √†s taxas de mercado, podendo constituir garantias sob a forma de hipoteca ou aliena√ß√£o fiduci√°ria do im√≥vel financiado.

Credor

Aquele que concede a alguém ou empresa, um crédito, um empréstimo.

Cronograma Financeiro

Representação gráfica dos valores financeiros previstos para a execução de determinada obra.

Cronograma Físico

Representação gráfica do tempo previsto para a execução de determinada obra.

Cronograma Físico-Financeiro

Representação gráfica que indica, simultaneamente, o tempo e os valores financeiros previstos para a execução de determinada obra.

Custo Unit√°rio B√°sico – Cub

Principal indicador do setor da constru√ß√£o, o Cub √© calculado, mensalmente, pelos Sindicatos da Ind√ļstria da Constru√ß√£o Civil de todo o pa√≠s. Seu objetivo b√°sico √© determinar o custo global da obra e disciplinar o mercado, al√©m de assegurar aos compradores, em potencial, um par√Ęmetro comparativo √† realidade dos custos. Atualmente, a varia√ß√£o percentual mensal do Cub tem servido como mecanismo de reajuste de pre√ßos em contratos de compra de apartamentos em constru√ß√£o e at√© mesmo como √≠ndice setorial.

Curador

Aquele que exerce a curatela. Pessoa nomeada para defender interesses, assistir, representar ou defender pessoas incapazes.

Curatela

Instituição de uma pessoa, denominada curador, com a finalidade de administrar os interesses de outra pessoa que se encontra incapaz de fazê-lo.

Curatelado

Pessoa submetida à curatela.

Dação

Entregar ao credor uma coisa em pagamento de outra, como um imóvel em lugar de dinheiro, para saldar uma dívida.

Declara√ß√£o de Informa√ß√Ķes sobre Atividades Imobili√°rias – Dimob

Declara√ß√£o que todas as imobili√°rias, construtoras e incorporadoras devem emitir para a Receita Federal, informando os detalhes das transa√ß√Ķes imobili√°rias realizadas, destacando especialmente a identifica√ß√£o dos contratantes e do im√≥vel, como por exemplo, data, valor da opera√ß√£o e comiss√£o cobrada.

Declara√ß√£o de Opera√ß√Ķes Imobili√°rias – Doi

Doi √© uma obriga√ß√£o acess√≥ria que dever√° incidir sobre opera√ß√Ķes envolvendo im√≥veis, independentemente de seu valor. O envio desta declara√ß√£o √© de responsabilidade dos Cart√≥rios de Notas, de Registros de Im√≥veis e de t√≠tulos e documentos, √† Receita Federal dos documentos lavrados, anotados, averbados, matriculados ou registrados em cart√≥rio. Deve ser emitida uma declara√ß√£o para cada im√≥vel e o valor da opera√ß√£o imobili√°ria ser√£o informados pelas partes ou, na aus√™ncia deste, o valor que servir de base para o c√°lculo do Imposto sobre a Transmiss√£o de Bens Im√≥veis – ITBI ou para o c√°lculo do Imposto sobre Transmiss√£o Causa Mortis e Doa√ß√£o de Quaisquer Bens ou Direitos – ITCD.

Debênture

Valor mobili√°rio, emitido pelas sociedades por a√ß√Ķes que asseguram, a seu titular, um direito de cr√©dito contra a companhia emissora, nas condi√ß√Ķes constantes da escritura de emiss√Ķes e do certificado, quando este for emitido.

Demolição

Derrubamento de uma edificação.

Den√ļncia Cheia

Rompimento de contrato de locação feito pelo locador, em consequência de infração do locatário ou outro motivo previsto em lei.

Den√ļncia Vazia

Rompimento de contrato de loca√ß√£o feito pelo locador, por conveni√™ncia pr√≥pria, sem necessidade de apresentar justificativas para a retomada do im√≥vel. Quando aplic√°vel, a den√ļncia vazia obriga o inquilino a desocupar o im√≥vel em um prazo de 30 dias. Atualmente aplica-se a contratos residenciais de 30 meses j√° vencidos, e tamb√©m a loca√ß√Ķes com mais de cinco anos consecutivos.

Departamento de Aprova√ß√£o de Edifica√ß√Ķes – Aprov

Entre suas fun√ß√Ķes, esse departamento responde pela instru√ß√£o, an√°lise e decis√£o dos pedidos de licen√ßa para constru√ß√£o, reforma e reconstru√ß√£o de edifica√ß√Ķes de m√©dio e grande portes, de acordo com o C√≥digo de Obras, Lei de Zoneamento e demais dispositivos legais pertinentes.

Dependência Completa de Empregada РDCE

√Č muito comum encontrarmos em an√ļncios de imobili√°rias a sigla ‚ÄúDCE‚ÄĚ, que significa ‚Äúdepend√™ncia completa de empregada‚ÄĚ, o que quer dizer que o im√≥vel disp√Ķe de um quarto e de um banheiro para uso da empregada dom√©stica.

Depreciação

Perda do valor anterior de mercado de um im√≥vel ou terreno. A deprecia√ß√£o pode ocorrer em fun√ß√£o de v√°rios fatores, como mau uso e falta de conserva√ß√£o do bem, degrada√ß√£o socioecon√īmica e defici√™ncia de investimentos p√ļblicos na regi√£o, falta de atrativos para novos projetos imobili√°rios e demais investimentos privados, momento desfavor√°vel da atividade econ√īmica do pa√≠s, entre outros.

Despejo

Ver ordem de despejo.

Dia da Medida

Data reservada especialmente para medição do seu imóvel. Nesta ocasião, você ou profissionais de sua escolha, poderão tirar as medidas exatas do imóvel. Essa medição ocorre em dia e hora marcada.

Direito de Preferência

Direito concedido por lei, ao inquilino ou cond√īmino, de que seja oferecida primeiro, a ele, a compra do im√≥vel que ocupa.

Dívida

Quantia que uma pessoa deve devolver a outra ou a uma instituição. Nos contratos de financiamento imobiliário, a dívida atualizada chama-se saldo devedor.

Dividendo

Valor distribuído ao acionista como participação nos resultados da companhia.

Edificação

Obra coberta destinada a abrigar atividade humana ou qualquer instalação, equipamento e material.

Edificação Permanente

Aquela de car√°ter duradouro, como um pr√©dio, casa, loja, ind√ļstria etc.

Edificação Transitória

Aquela de caráter não permanente, passível de montagem, desmontagem e transporte.

Edifício

Construção verticalizada composta por unidades destinadas a diversos fins, como residencial, apartamentos; comercial, escritórios; de hospedagem, flats e hotéis, dentre outros.

Emiss√£o

Colocação de dinheiro ou títulos em circulação.

Encargo Mensal

O que √© obrigat√≥rio pagar mensalmente. Nos financiamentos imobili√°rios, o encargo √© a parcela de amortiza√ß√£o e os juros mensais pagos nas presta√ß√Ķes somados √†s parcelas dos seguros Mip e DFI.

Engenharia

Arte de aplicar conhecimentos cient√≠ficos, conhecimento emp√≠ricos e habilita√ß√Ķes espec√≠ficas para a cria√ß√£o de estruturas, dispositivos e processos que se utilizam para converter recursos naturais em formas adequadas ao atendimento das necessidades humanas.

Engenharia Civil

Ramo da engenharia relativo a constru√ß√Ķes, tais como edif√≠cios, casas, f√°bricas, estradas, pontes, etc.

Entrega

Ato de se entregar, aos compradores das unidades de determinado empreendimento, as suas respectivas áreas privativas e comuns. Para formalizar a entrega, nesta fase, geralmente também se realiza a assembleia de instalação de condomínio.

Esbulho Possessório

Ato que utiliza de ‚Äúfor√ßa‚ÄĚ e tem como fim desapossar uma pessoa daquilo que lhe pertence ou √© possuidor.

Escritura

Documento aut√™ntico de um contrato, como o de compra e venda, escrito por um tabeli√£o ou oficial p√ļblico e testemunhado por duas pessoas. O mesmo que instrumento p√ļblico.

Escritura de imóvel

Documento que deve ser elaborado em Cartório, representando o ato jurídico de transmissão da posse e do domínio de um imóvel que, por determinado preço, o vendedor faz para o comprador. Para que ela tenha valor é preciso que seja registrada no Cartório de Registros de Imóveis, onde o bem que está sendo negociado é registrado. Resumindo, a escritura é o documento que torna a transação imobiliária, oficial.

Escritura Definitiva

Ato jur√≠dico, lavrado em Cart√≥rio, onde o vendedor transmite ao comprador a posse e dom√≠nio de im√≥vel, quando integralizado o pre√ßo. √Č necess√°rio que a escritura definitiva seja registrada junto ao Servi√ßo de Registro de Im√≥veis da circunscri√ß√£o do im√≥vel, para que a propriedade seja regularmente transferida.

Espelho d’água

‚ÄúL√Ęmina‚ÄĚ de √°gua de pequena profundidade, que geralmente integra um conjunto paisag√≠stico.

Estande (Stand) de Vendas

Local construído ou montado, geralmente, no terreno em que será construído um novo empreendimento imobiliário, onde consultores recebem e orientam os interessados no negócio. O estande de vendas, frequentemente, conta com maquete do projeto, plantas das áreas privativas e comuns e, em alguns casos, uma unidade modelo com sugestão de decoração, montada no local para que os visitantes tenham a noção exata das características do produto que está sendo comercializado para entrega futura.

Estilo Arquitet√īnico

O estilo adotado pelo arquiteto nos projetos de edifica√ß√Ķes. Exemplos: estilo cl√°ssico, neocl√°ssico, contempor√Ęneo e moderno.

Estrutura

1. Conjunto de elementos que d√° sustenta√ß√£o e estabilidade √† constru√ß√£o. 2. Fase da obra em que se come√ßa a levantar o ‚Äúesqueleto‚ÄĚ do pr√©dio.

Evicção

Entende-se como a responsabilidade do alienante em indenizar o adquirente pelos efeitos decorrentes da perda, total ou parcial, da coisa adquirida em razão de decisão judicial que reconheceu a titularidade do bem a uma terceira pessoa, devido a um negócio jurídico celebrado anteriormente.

Execução

Cumprimento de penalidades e san√ß√Ķes ou cobran√ßa do que est√° previsto em contrato. Fase do processo que se faz cumprir uma senten√ßa judicial.

Execução Extrajudicial

Processo de aplicação das penalidades previstas em contratos sem recorrer à Justiça. A execução fica sob a responsabilidade de um agente fiduciário.

Execução Judicial

Processo que tramita na Justiça para aplicação das penalidades previstas em contratos.

Expropriação

Ato de desapossar alguém de sua propriedade, mediante processo movido pelo Estado.

Fachada

Utilizado para designar a frente ou qualquer uma das paredes externas que se volta para a rua.

Fachada Pré-fabricada

Fachada em concreto pré-fabricada, com acabamento final dos dois lados e pronta para instalação.

Fiador

Pessoa que assume as obriga√ß√Ķes (alugu√©is, taxas, multas e corre√ß√£o) de outro, quando este deixa de cumpri-las.

Fiança

Ato ou contrato que dá, ao credor, uma segurança de pagamento, que se efetiva mediante promessa de terceiro, um fiador, no caso, que se responsabiliza parcial ou totalmente pela execução da obrigação principal a cargo do devedor, caso este não venha a honrá-la.

Financiamento Direto

Forma de pagamento na aquisição de imóvel em que o próprio incorporador concede financiamento ao comprador.

Financiamento Imobili√°rio

1. Empr√©stimo concedido por institui√ß√Ķes financeiras para custear a constru√ß√£o, a reforma ou a compra de um im√≥vel. | 2. Recursos obtidos em institui√ß√£o financeira, no √Ęmbito do Sistema Financeiro da Habita√ß√£o ou pela chamada Carteira Hipotec√°ria. | 3. Custeamento das despesas para constru√ß√£o ou aquisi√ß√£o de um im√≥vel, geralmente sob garantia hipotec√°ria do mesmo, para pagamento posterior em forma de presta√ß√Ķes ‚Äď que compreendem a amortiza√ß√£o do capital, respectivos juros, corre√ß√£o monet√°ria, bem como taxas de administra√ß√£o e outras.

Formal de Partilha

Quando um casal se divorcia é preciso que seja feita a divisão dos bens, inclusive dos imóveis. Da mesma forma, quando alguém morre também é feita a divisão dos imóveis entre os herdeiros. Nos dois casos, o formal de partilha é o documento emitido por um juiz que sacramenta essa divisão. Um imóvel de um casal separado ou que tenha origem em uma herança, só pode ser legalmente vendido quando há o formal de partilha, que redefine os direitos de propriedade que recaem sobre ele.

Foro

1. Tribunal de Justiça; lugar onde funcionam os órgãos do poder judiciário; fórum; jurisdição, alçada, poder. | 2. Privilégio, uso, direito garantido pelo tempo ou pela lei.

Fração ideal

Coeficiente ou percentual de participa√ß√£o no terreno relativo √† unidade aut√īnoma.

Front√£o

Elemento arquitet√īnico de formato triangular, caracter√≠stico da arquitetura cl√°ssica greco-romana.

Fundação

Parte de uma estrutura que transmite, às camadas subjacentes do solo, a carga de uma construção. O responsável por este estágio de obra é o topógrafo, profissional que trabalha com os equipamentos de precisão, necessários para a execução da fundação prevista no projeto executivo.

Fundo de Compensa√ß√£o das Varia√ß√Ķes Salariais – FCVS

Fundo que pagava o saldo residual de contratos imobiliários assinados até 1993.

Fundo de Garantia do Tempo de Serviço РFGTS

Conta de poupança aberta pelo empregador em nome do empregado. Todo mês, o empregador deposita nela 8% do salário de seu funcionário. Essa conta rende 3% ao ano, mais a variação mensal da TR. O saldo poderá ser resgatado pelo empregado se for demitido ou quiser financiar a casa própria pelo SFH.

Fundo de Investimento

Entidade financeira que, pela emiss√£o de t√≠tulo de investimento pr√≥prio, o Certificado de Investimento, denominado em quotas, concentra capitais de in√ļmeros investidores para aplica√ß√£o em carteiras diversificadas de t√≠tulos, valores mobili√°rios, instrumentos financeiros, derivativos ou commodities negociadas em bolsas de mercadorias e futuros.

Fundo de Investimento Imobili√°rio

Modalidade de investimento imobiliário, administrada por uma instituição financeira, fiscalizada e regulamentada pela Comissão de Valores Mobiliários РCVM. Através da comercialização de cotas, o sistema oferece a vantagem de permitir, a pequenos e médios investidores participação na renda líquida de grandes empreendimentos, como shoppings e prédios comerciais. Une a segurança do mercado imobiliário à rentabilidade do mercado financeiro. A renda gerada pelo fundo de determinado empreendimento é distribuída proporcionalmente aos cotistas participantes.

Fundo de Reserva

Recursos depositados sem conta específica do condomínio e que podem ser utilizados para realização de obras de conservação ordinária e extraordinária, além de aplicado na execução de benfeitorias nas partes comuns do prédio ou condomínio.

Galp√£o

Construção constituída de cobertura de telha com os lados (pelo menos um deles) desprovidos de parede; utilizada para depósito e/ou abrigo de produtos.

Ganho de Capital

Ganho de Capital é quando determinado BEM (ou grupo de bens da mesma natureza) for vendido, doado ou transferido por valor superior ao preço de custo. Ou seja, a diferença positiva do preço de venda, doação, transferência em relação ao custo é o Ganho de Capital.

Gazebo

Espécie de quiosque pequeno, construído no jardim de uma edificação, cuja estrutura pode ser composta de alumínio, ferro ou madeira, e fechamento em vidro ou treliças. O gazebo pode se destinar à convivência social, relaxamento e/ou lazer.

GCAP

Programa de Apuração dos Ganhos de Capital disponível para download no site da Receita Federal.

Governança Corporativa

Práticas e relacionamentos entre Acionistas/Cotistas; Conselho de Administração; Diretoria; Auditoria Independente e Conselho Fiscal, com a finalidade de otimizar o desempenho da empresa e facilitar o acesso ao capital. Estas práticas abrangem os assuntos relativos ao poder de controle e direção de uma empresa, bem como as diferentes formas e esferas de seu exercício e os diversos interesses que, de alguma forma, estão ligados à vida das sociedades comerciais.

Gradil

Elemento de prote√ß√£o, geralmente em ferro ou alum√≠nio, utilizado em sacadas, varandas ou port√Ķes.

Granilite

Revestimento, geralmente utilizado em pisos e rodapés, composto por pedaços de mármore e granito, cimento, areia e água. Pode-se acrescentar pó colorido à mistura, dependendo do efeito desejado.

Gravame

Restrição, dívida que pesa sobre o bem, impedindo a sua transferência.

Guarnição

Na construção, marcos de portas ou janelas, cada uma das réguas de madeira fixadas, como arremate, nas testas do respectivo vão.

Habite-se

Autoriza√ß√£o concedida pela prefeitura para que se possa ocupar e utilizar um im√≥vel rec√©m-constru√≠do ou reformado. A autoriza√ß√£o s√≥ √© emitida depois de o im√≥vel ter sido vistoriado por fiscais de obras (que comparam a constru√ß√£o com o projeto aprovado) e de servi√ßos p√ļblicos (corpo de bombeiros, companhias de luz, g√°s, √°gua e esgotos).

Hectare (Medida Agr√°ria)

1 Hectare (ha) = 100 ares = 10.000 m2 – um hectare corresponde a cem ares ou a dez mil metros quadrados

Hipoteca

Utilização de bens imóveis como garantia de pagamento de uma dívida. O devedor detém a propriedade e a posse do imóvel, que poderá ser tomado pelo credor (a quem ou a que se deve dinheiro ou qualquer outro valor) por meio de execução judicial ou execução extrajudicial.

Imposto de transmiss√£o

Chamado em uns municípios de Imposto de Transmissão de Bens Imóveis e em outros de Imposto de Transmissão Intervivos, é uma taxa proporcional ao valor de um imóvel ou direitos reais sobre bens imóveis, cobrada pela prefeitura toda vez que há alteração na propriedade.

Imobili√°ria

Empresa do segmento imobiliário com atuação na área de compra, venda e locação de imóveis.

Imóvel Alienado

Imóvel que ainda não está completamente quitado pelo comprador.

Imóvel na Planta

Imóvel comercializado na fase de lançamento, ou seja, antes do início de sua construção.

Impenhorabilidade

Todo bem móvel ou imóvel imprescindível à vida da pessoa devedora e que não pode ser objeto de penhora pelos seus credores. A impenhorabilidade pode decorrer da lei ou de vontade das partes.

Implantação

Representa√ß√£o geom√©trica com a demarca√ß√£o das √°reas a serem constru√≠das, bem como a disposi√ß√£o dos elementos externos, como pra√ßas, jardins, quadras e demais espa√ßos previstos em um terreno, segundo o projeto arquitet√īnico.

Imposto de Transmiss√£o

Chamado em uns municípios de Imposto de Transmissão de Bens Imóveis e em outros de Imposto de Transmissão Intervivos, é uma taxa proporcional ao valor de um imóvel ou direitos reais sobre bens imóveis, cobrada pela prefeitura toda vez que há alteração na propriedade.

Imposto de Transmissão de Bens Imóveis РITBI

Ou Imposto de Transmissão Intervivos em alguns municípios. Tributo gerado pela transação imobiliária e cobrado pela prefeitura sempre que há transmissão de propriedade de bens imóveis. O recolhimento dessa taxa, que varia de acordo com a legislação municipal, é de responsabilidade do comprador.

Imposto de Transmiss√£o Intervivos

O mesmo que Imposto de Transmissão de Bens Imóveis. Ver ITBI.

Imposto Predial e Territorial Urbano – IPTU

Com nomes diferentes, conforme cada munic√≠pio, Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana e outras varia√ß√Ķes, √© uma taxa baseada no valor venal do im√≥vel, valor estimado de venda do bem, que leva em considera√ß√£o metragens, localiza√ß√£o, destina√ß√£o e tipo do im√≥vel, cobrada dos propriet√°rios, pela prefeitura.

Inadimplência ou Inadimplemento

Descumprimento de uma obriga√ß√£o, como o pagamento de d√≠vidas, presta√ß√Ķes imobili√°rias, ou cl√°usulas contratuais.

Inalienabilidade

Qualidade de um bem que n√£o pode ser transferido a outro propriet√°rio, nem hipotecado.

Incomunicabilidade

Ato de registrar bens im√≥veis sem que o c√īnjuge tenha direito √† reclama√ß√£o futura sobre heran√ßa.

Incorporador(a)

Pessoa/empresa que contrata a constru√ß√£o de im√≥veis, apartamentos ou casas, em sistema de condom√≠nio e os vende em presta√ß√Ķes antes mesmo de estarem prontos, comprometendo-se por contrato a entreg√°-los dentro de prazo e condi√ß√Ķes determinados.

Incorporação Imobiliária

1. Ato ou efeito de incorporar ou empreender um projeto imobili√°rio. | 2. Conjunto de atividades atrav√©s das quais √© poss√≠vel uma empresa ou pessoa f√≠sica construir uma edifica√ß√£o, promovendo a aliena√ß√£o total ou parcial das unidades aut√īnomas que a comp√Ķem. | 3. Processo que permite a comercializa√ß√£o legal de uma edifica√ß√£o que ainda est√° na planta ou em fase de constru√ß√£o.

Indexação

Ajuste de um valor de acordo com certo √≠ndice econ√īmico, porcentagem que se aplica periodicamente ao valor, ¬≠ para corrigir a moeda, garantindo seu poder aquisitivo.

 Indexador

Indicador da variação do poder aquisitivo da moeda, utilizado para corrigir monetariamente, determinado valor.

 Indexar

Tornar certa import√Ęncia monet√°ria, corrig√≠vel automaticamente, de acordo com um √≠ndice de pre√ßos, para compensar o efeito da infla√ß√£o.

√ćndice de Pre√ßos

N√ļmero-√≠ndice que indica a varia√ß√£o m√©dia dos pre√ßos de um determinado conjunto de bens (geralmente os mais utilizados por um consumidor t√≠pico), em rela√ß√£o a um per√≠odo tomado como refer√™ncia. Os √≠ndices de pre√ßos normalmente s√£o utilizados para corre√ß√£o monet√°ria e c√°lculo da infla√ß√£o.

√ćndice de Reajuste

√ćndice pactuado em contrato, geralmente um √≠ndice de pre√ßos, √© utilizado para atualiza√ß√£o monet√°ria dos valores envolvidos no mesmo. O √≠ndice escolhido para reajuste √© o que torna os valores proporcionados √† eleva√ß√£o do custo de vida.

√ćndice Geral dos Pre√ßos – IGP-M

Calculado e divulgado pela Funda√ß√£o Get√ļlio Vargas. Nos contratos de compra e venda de im√≥veis, por exemplo, o IGP-M √© um √≠ndice que pode ser utilizado para atualiza√ß√£o monet√°ria, principalmente ap√≥s a conclus√£o das obras. √Č tamb√©m muito utilizado na corre√ß√£o dos alugu√©is.

√ćndice Geral de Pre√ßos do Mercado – IGP-M/FGV

Trata-se de uma estat√≠stica produzida pela Funda√ß√£o Get√ļlio Vargas e que comp√Ķe as ferramentas que determinam os √≠ndices de infla√ß√£o no Brasil. Ele √© utilizado em contratos de aluguel, em reajustes de tarifas p√ļblicas e em contratos mais antigos de planos e seguros de sa√ļde.

√ćndice Nacional de Custo da Constru√ß√£o – INCC

Elaborado pela Funda√ß√£o Get√ļlio Vargas, tem a finalidade de apurar o reajuste do valor dos im√≥veis em constru√ß√£o. √Č utilizado como base para a corre√ß√£o dos contratos de compra de im√≥veis, enquanto a obra est√° em execu√ß√£o. Taxa calculada mensalmente, √© utilizada para medir a flutua√ß√£o de pre√ßos dos produtos ou insumo que possa ser utilizado em algum projeto ou constru√ß√£o de empreendimento habitacional. Por se tratar de um √≠ndice sobre um valor que afeta diretamente os or√ßamentos dispon√≠veis para constru√ß√Ķes habitacionais, √© tamb√©m usado para corrigir as parcelas e o pre√ßo final de contratos de im√≥veis em fase de constru√ß√£o.

√ćndice Nacional de Pre√ßos ao Consumidor – INPC

Medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estat√≠stica – IBGE, √© obtido a partir do √ćndices de Pre√ßos ao Consumidor, regionais, e tem como objetivo oferecer a varia√ß√£o dos pre√ßos no mercado, mostrando, assim, o aumento do custo de vida da popula√ß√£o. Possui fun√ß√£o parecida com outros indicadores j√° listados: medir o aumento da infla√ß√£o em alguma regi√£o. Contudo, sua diferen√ßa est√° no referencial utilizado, que √© o de fam√≠lias com renda de at√© seis sal√°rios m√≠nimos. As pesquisas levam em conta o perfil de consumo dessas fam√≠lias em rela√ß√£o a produtos e servi√ßos de diversos seguimentos, sendo habita√ß√£o e artigos de resid√™ncia alguns deles.

√ćndice Setorial

√ćndice relativo ou pertencente a um determinado setor de atividade econ√īmica. No √Ęmbito da constru√ß√£o, pode-se citar o √ćndice Nacional de Custo da Constru√ß√£o Civil – INCC, da Funda√ß√£o Get√ļlio Vargas, como exemplo de √≠ndice setorial.

Início das Obras (Fase de)

Est√°gio da obra que come√ßa com a instala√ß√£o do canteiro de obras no terreno. Nos projetos em que est√£o previstos subsolos (garagens subterr√Ęneas), inicia-se os trabalhos de escava√ß√£o e funda√ß√Ķes. Esta fase pode se estender por um per√≠odo de 4 a 6 meses, porque exige trabalho meticuloso, que forma os alicerces da constru√ß√£o.

 Inquilino (Locatário)

Pessoa que aluga um imóvel e é responsável pelo pagamento do aluguel e demais taxas.

 Insolação

Ato ou efeito de insolar. Quantidade de radiação proveniente do Sol, que incide sobre uma superfície ou ambiente, devido à sua posição em relação ao mesmo.

 Interveniente

Que interv√©m, interventor. √Č algu√©m que passa a fazer parte de um ato entre duas partes (pessoas ou institui√ß√Ķes).

 Inventariante

Pessoa que inventaria ou faz o rol (relação, lista) dos bens inventariados. No geral, o inventariante é uma pessoa, nomeada pelo juiz para administrar e partilhar uma herança, representando-a ativa e passivamente enquanto esta ação não é finalizada.

Invent√°rio

Rela√ß√£o dos bens deixados por algu√©m que faleceu e valores ativos e passivos duma sociedade mercantil ou de qualquer entidade econ√īmica; processo, formado em ju√≠zo competente, com o fim de legalizar a transfer√™ncia do patrim√īnio do falecido a seus herdeiros e sucessores na propor√ß√£o exata de seus direitos mediante a partilha.

Investidor Institucional

Institui√ß√£o que disp√Ķe de recursos destinados √† reserva de risco ou de patrim√īnio. S√£o representados primordialmente pelas companhias seguradoras, de previd√™ncia privada, fundos de pens√£o, caixas de pec√ļlio, bancos e algumas outras institui√ß√Ķes financeiras.

Investidor Qualificado

Crit√©rio estabelecido pela CVM para investimento em Fundos Fechados. Podem ser todos os investidores institucionais e por investidores pessoas f√≠sicas, que comprovem ter um patrim√īnio elevado, estabelecido periodicamente tamb√©m pela CVM.

Irretrat√°vel

Que n√£o se pode retratar; imut√°vel, irrevog√°vel.

Irrevog√°vel

Que n√£o pode ser cancelado, anulado, declarado sem efeito ou cassado.

Isolamento Ac√ļstico

Tratamento utilizado para bloquear ou amenizar a propagação do som entre ambientes. Em uma edificação, pode ser indicado para portas, janelas, paredes, forros no teto etc.

Isolamento Térmico

Tratamento geralmente utilizado em janelas, paredes ou teto de determinado local, com objetivo de bloquear ou amenizar a propagação de calor ou frio entre ambientes.

Juízo Arbitral

√ďrg√£o julgador, criado pela vontade das partes, para resolver lit√≠gios de direitos patrimoniais que admitem transa√ß√£o.

Juro

Taxa percentual que é cobrada periodicamente sobre um valor e constitui o lucro do capital empregado (como em empréstimos) ou é paga sobre um valor depositado (como em investimentos bancários). Remuneração que o tomador de um empréstimo paga ao proprietário do capital emprestado. Taxa percentual que incide sobre determinado valor.

Juro Composto

Juro acrescentado a uma parcela que já contém outros juros, determinando novo patamar para o cálculo da parcela seguinte. Os juros compostos ou capitalizados são usados em praticamente todos os empréstimos, financiamentos e compras a prazo.

Juro de Mora

Juro cobrado como multa, por causa da mora (demora, atraso), no pagamento de uma dívida. São cobrados por dia de retardamento, às vezes independentemente da aplicação de outro percentual fixo de multa. Por exemplo: 10% após o vencimento mais juro de mora de 0,3% ao dia.

Juro Simples

Juro que é aplicado integralmente à uma quantia devida em determinado tempo. Veja taxa nominal e taxa efetiva. Juros que é pago apenas sobre o valor do principal (ou montante) do empréstimo.

Laje boc

Pr√©-fabrica√ß√£o de lajes em canteiro de obra. Estas lajes s√£o moldadas umas sobre as outras na horizontal economizando espa√ßo no canteiro e aumentando a produtividade, nestas lajes s√£o inseridas caixas e tubula√ß√Ķes de el√©trica.

Lançamento Imobiliário

Divulga√ß√£o ao p√ļblico, ap√≥s o registro de incorpora√ß√£o, de determinado empreendimento imobili√°rio, atrav√©s de eventos, a√ß√Ķes promocionais, an√ļncios na m√≠dia, ¬†e.t.c. √Č no lan√ßamento que se disponibiliza as unidades para venda, sendo que no local onde o projeto ser√° constru√≠do, √© montado um estande (stand) de vendas.

Laudêmio

Pagamento que o propriet√°rio de um im√≥vel, √† venda, deve fazer ao propriet√°rio com direito real. √Č feito, por exemplo, na venda de im√≥veis que originariamente pertencem √† Uni√£o, como todos os que se localizam na orla mar√≠tima.

Lei de Incorpora√ß√Ķes

Lei federal n¬į 4.591, de 1964, que disp√Ķe sobre condom√≠nios em edifica√ß√Ķes e incorpora√ß√Ķes imobili√°rias.

Lei de Zoneamento

Uma das leis municipais que ordenam o uso de terrenos urbanos, estabelecendo, por exemplo, normas espec√≠ficas para constru√ß√Ķes e desenvolvimento de certas atividades.

Lei do Inquilinato

Nome popular da lei que regula as loca√ß√Ķes urbanas. A lei em vigor √© a n.¬ļ 8.245, de 1991. Lei federal n.¬ļ 8.245, da 1991, que regula a loca√ß√£o de im√≥veis residenciais.

Leil√£o

Venda p√ļblica de bens e objetos que se entregam a quem oferecer o maior pre√ßo.

Linguagem de Descrição Geométrica РGDL

Linguagem de programação para criação de modelos tridimensionais e outras entidades paramétricas, a serem usadas em sistemas Bim. E a criação de GDL não depende mais exclusivamente do ArchiCAD.

Liquidação Antecipada

Pagamento total de uma dívida antes do prazo fixado em contrato.

Liquidez

1. Capacidade de comprar ou vender um investimento com o mínimo de esforço, sem afetar seu preço. | 2. Capacidade de converter um investimento em dinheiro. | 3. Disponibilidade de ativos líquidos, especialmente em relação a compromissos de curto prazo.

Locação Imobiliária

O mesmo que aluguel.

Locador (senhorio)

Proprietário de um imóvel ou seu representante que aluga um imóvel a outra pessoa, o locatário.

Locat√°rio (Inquilino)

Pessoa que aluga um imóvel e paga o aluguel e outras taxas.

Longa Permanência (Long Stay)

Empreendimento imobili√°rio, de conceito inovador, desenvolvido pelo grupo Cyrela/Brazil Realty, cujas unidades se destinam tanto a moradia como a hospedagem de longa perman√™ncia. A versatilidade do produto e a perspectiva de retorno com loca√ß√Ķes tempor√°rias atraem investidores. O Long Stay alia o conforto e servi√ßos de um hotel, ao espa√ßo e privacidade de uma resid√™ncia.

Loteamento

Divis√£o da terra em lotes, com exig√™ncia de abertura ou prolongamento de vias p√ļblicas.

m¬≤ ‚Äď S√≠mbolo de metro quadrado. Unidade de √°rea fundamental das medidas de superf√≠cie, equivalente √† √°rea de um quadrado, cujos lados t√™m o comprimento de 1 metro. Unidade padr√£o do Sistema Internacional – SI.

Maquete

Miniatura representativa de um projeto arquitet√īnico.

Maquete Eletr√īnica

Reprodução digital de determinado espaço ou edificação em terceira dimensão.

Matrícula do Imóvel

N√ļmero de registro do im√≥vel no cart√≥rio, o mesmo desde sua constru√ß√£o.

Maturação

Evolução de um investimento desde a aquisição até a fase em que gera rendimentos compensadores

Memorial de Acabamentos

Ver memorial descritivo.

Memorial de Incorporação

Documento jur√≠dico que detalha o objeto da incorpora√ß√£o, com defini√ß√£o das √°reas de uso privativo e comum, especifica√ß√£o dos acabamentos da edifica√ß√£o, conforme modelo da Associa√ß√£o Brasileira de Normas T√©cnicas ‚Äď ABNT, e.t.c. Por exig√™ncia legal, antes de comercializar as unidades aut√īnomas, o incorporador deve arquivar o documento no Cart√≥rio de Registro de Im√≥veis competente.

Memorial Descritivo

1. Documento que especifica os materiais e equipamentos que ser√£o aplicados na constru√ß√£o. O incorporador deve esse documento arquivado no Registro de Im√≥veis antes do in√≠cio da venda das unidades. | 2. Anexo dos contratos de compra e venda de im√≥vel na planta ou em constru√ß√£o, o memorial descreve o que est√° sendo comprado, seguindo as normas da Associa√ß√£o Brasileira de Normas T√©cnicas – ABNT. No documento, ainda devem constar a metragem da √°rea √ļtil e de uso comum, a localiza√ß√£o das vagas de garagem e a especifica√ß√£o da lista de acabamentos, com indica√ß√£o de marca, fabricante e/ou categoria.

Memorial de Vendas

Ver memorial descritivo.

Mercado de Capitais

Segmento do mercado financeiro onde se realizam as opera√ß√Ķes de compra e venda de a√ß√Ķes, t√≠tulos e valores mobili√°rios, efetuadas entre empresas, investidores e/ou poupadores, com intermedia√ß√£o obrigat√≥ria de institui√ß√Ķes financeiras do Sistema de Distribui√ß√£o de T√≠tulos e Valores Mobili√°rios, componente do ¬†Sistema Financeiro Nacional – SFN.

Metro Quadrado

Principal unidade (m2) de medida de área (superfície) e unidade-padrão do Sistema Internacional de Unidades.

Mora

Demora, atraso, retardamento na execução de uma obrigação. Quem não efetua um pagamento na data marcada está em mora. Também está em mora quem se recusa a receber um pagamento no prazo e da maneira estipulada.

Multa

Penalidade imposta às pessoas físicas e jurídicas que não cumprem leis, regulamentos, contratos e etc.

Muro de Arrimo

Muro destinado a suportar desnível de terreno superior a 1 metro.

Mutuante

Pessoa ou institui√ß√£o que assina um m√ļtuo, emprestando a outra um bem fung√≠vel, que pode ser substitu√≠do por outro da mesma esp√©cie e quantidade, como dinheiro, por exemplo.

Mutu√°rio

Aquele que recebe por empréstimo, qualquer coisa fungível, ou seja: bem concreto que se desgasta com o tempo.

M√ļtuo

Contrato de reciprocidade pelo qual o propriet√°rio, no caso o mutuante, transfere um bem fung√≠vel ao mutu√°rio, que deve restituir o que foi emprestado em g√™nero, qualidade e quantidade. Os contratos de financiamento imobili√°rio s√£o um exemplo de m√ļtuo

Nota Promissória

Documento escrito e solene, pelo o emitente se compromete a pagar determinada quantia, em determinada data, à determinada pessoa física ou jurídica (beneficiário).

Novo Mercado

Segmento de listagem destinado √† negocia√ß√£o de a√ß√Ķes emitidas por empresas que se comprometem, voluntariamente, com a ado√ß√£o de pr√°ticas de governan√ßa corporativa e divulga√ß√£o (disclosure) adicionais em rela√ß√£o ao que √© exigido pela legisla√ß√£o.

Nu-propriet√°rio

√Č o indiv√≠duo a quem compete a propriedade do bem, mas n√£o o seu uso, que √© do usufrutu√°rio (quem usufrui).

Obra

Realização de trabalho em terreno ou imóvel, desde seu início até sua conclusão, cujo resultado implique na alteração de seu estado físico anterior.

Obra Complementar

Edificação secundária ou parte da edificação que, funcionalmente, complementa o imóvel, como portarias e passagens cobertas.

Oferta P√ļblica

Distribui√ß√£o de t√≠tulos e valores mobili√°rios, junto ao p√ļblico investidor. Coloca√ß√£o junto ao p√ļblico, de determinado n√ļmero de a√ß√Ķes de uma companhia.

Organização Mundial de Comércio РOMC

Organismo de fomento ao com√©rcio internacional, com sede em Genebra, na Su√≠√ßa. Se ocupa das normas que regem o com√©rcio entre os pa√≠ses, atrav√©s de acordos comerciais negociados e assinados pela grande maioria dos pa√≠ses que participam do com√©rcio mundial e ratificados por seus respectivos parlamentos, com regras estabelecidas a partir de negocia√ß√Ķes entre os pa√≠ses membros, e decis√Ķes referendadas pelos governos desses pa√≠ses.

√Ēnus Geral

Gravar um bem de √īnus real significa instituir sobre ele um encargo que limita, de qualquer forma, o seu exerc√≠cio.

√Ēnus Pessoal

Dívida de caráter pessoal, que pode recair sobre o bem do devedor.

Opção de Planta

Planta que difere em um ou mais aspectos da planta básica das unidades de determinado empreendimento. A área privativa é a mesma, mas o tipo, disposição e tamanho dos ambientes podem variar conforme a opção de planta. O objetivo é que o cliente escolha a alternativa que mais se adeque às suas necessidades e estilo de vida.

Ordem de Despejo

Mandado judicial que obriga o locatário (inquilino) a desocupar o imóvel alugado em determinado prazo.

Outorgado

Aquele para o qual o direito é concedido.

Outorgante

Aquele que aprova, concede, consente o direito.

Paisagismo

Arte e técnica de planejar e organizar a paisagem com plantas e outros recursos, como complemento da arquitetura.

Parsolo

Sigla de Departamento de Parcelamento do Solo e Interven√ß√Ķes Urbanas. √ďrg√£o p√ļblico respons√°vel pela aprova√ß√£o e modifica√ß√£o do parcelamento do solo (loteamentos), bem como pela fixa√ß√£o das diretrizes de parcelamento, visando disciplinar o uso e a ocupa√ß√£o do solo.

Partilha

Repartição dos bens de uma herança, divisão de lucros.

Patrim√īnio L√≠quido

Contabilmente √© representado pela diferen√ßa entre o ativo e o passivo de uma empresa ou de um Fundo. Mais especificamente em um Fundo, tamb√©m representa a totalidade das quotas. Em um Fundo de Capital de Risco, o ativo √© composto por participa√ß√Ķes acion√°rias em empresas, deb√™ntures ou b√īnus de subscri√ß√£o, caixa e aplica√ß√Ķes em renda fixa. O passivo representa o que o fundo provisiona para pagamento de taxas de administra√ß√£o, de performance, de auditoria, de cust√≥dia, dentre outros.

Pavimento

Piso ou andar de uma edificação. O nome também é dado a um piso que recebeu revestimento.

Pé-direito

O pé direito de um imóvel é a medida entre o piso e o teto. O pé-direito padrão varia de 2,5m a 2,9m. No padrão brasileiro, o pé direito costuma ser de 2,7m em quartos, cozinhas e banheiros e 3m em salas e corredores. Uma variante da expressão é o pé direito duplo, o que significa que a medida é o dobro do comum.

Pé-direito duplo

√Č a medida do piso ao teto, por√©m, com o dobro da medida de um p√©-direito padr√£o.

Pé-direito elevado

√Č a medida do piso ao teto, por√©m, com medida superior a um p√©-direito padr√£o. Neste caso, possui altura a partir de 3,5m.

Pé esquerdo

Esta √© uma express√£o mais comum entre arquitetos, mas voc√™ pode ouvi-la, caso o im√≥vel que voc√™ est√° comprando seja um apartamento que precise passar por alguma reforma. Ela diz respeito √† soma do p√© direito com a espessura da laje. Ou seja, √© a dist√Ęncia entre o piso do apartamento inferior e o piso do apartamento superior.

Peitoril

Base inferior das janelas que se projeta além da parede e funciona como parapeito.

Pendência

Tempo durante o qual uma causa ou um recurso est√° pendente ou correndo.

Penhora

Apreensão judicial de bens, valores, dinheiro, direitos, e.t.c., pertencentes ao devedor, em quantidade suficiente para garantir uma execução judicial.

Pequena reforma

Reforma, com ou sem mudan√ßa de uso, em que n√£o haja supress√£o ou acr√©scimo de √°rea e altera√ß√Ķes que infrinjam as legisla√ß√Ķes pertinentes.

Perfil do terreno

Situação topográfica existente, objeto do levantamento físico que serve de base para elaboração do projeto.

Período de Investimento

Prazo estipulado no regulamento do Fundo, para que os investimentos nas empresas sejam realizados. Findo este prazo, n√£o podem ocorrer novos investimentos, mas sim as matura√ß√Ķes e as aliena√ß√Ķes destas participa√ß√Ķes nas empresas investidas. Caso o capital comprometido pelo investidor n√£o seja alcan√ßado, o fundo vai ter um patrim√īnio investido menor do que o comprometido.

Período de Silêncio

Per√≠odo de tempo que antecede os lan√ßamentos de a√ß√Ķes por oferta p√ļblica ou divulga√ß√Ķes de informa√ß√Ķes relevantes (resultados trimestrais ou anuais), durante o qual n√£o √© permitida qualquer manifesta√ß√£o na imprensa, at√© a publica√ß√£o do an√ļncio de encerramento por parte da companhia emissora, do ofertante, das institui√ß√Ķes financeiras intermedi√°rias e de qualquer pessoa envolvida ou a publica√ß√£o do fato relevante.

Permuta

Troca, interc√Ęmbio, permuta√ß√£o.

Perspectiva

Técnica de representação tridimensional, que possibilita a ilusão de espessura e profundidade de figuras, como um ambiente ou edificação. Esse efeito é criado a partir da projeção das linhas paralelas do primeiro plano para um ponto de fuga, de maneira que haja diminuição das figuras que ocupam o segundo plano da obra.

Pesquisa de Plant√£o de Vendas

Realizada com visitantes dos estandes de vendas de lan√ßamentos imobili√°rios, com objetivo de conhecer a rea√ß√£o do p√ļblico diante da apresenta√ß√£o do produto. Por meio da aplica√ß√£o de um question√°rio estruturado, a pesquisa avalia quest√Ķes referentes √†s caracter√≠sticas e localiza√ß√£o do produto, bem como aspectos de atendimento, comunica√ß√£o, marketing, entre outros.

Pesquisa de Pós-ocupação

Realizada com moradores de empreendimentos, após sua entrega e determinado tempo de utilização do imóvel. A pesquisa permite uma avaliação detalhada da opinião dos entrevistados a respeito dos pontos fortes e fracos da construção, projeto, atendimento ao cliente das áreas da empresa com as quais teve contato, entre outros aspectos.

Pirata

Esse termo designa o momento que precede a fase de incorpora√ß√£o de um empreendimento, chamado de pr√©-lan√ßamento ou pirata. Muitos corretores acreditam que nesse momento, ainda sem a√ß√Ķes de marketing, √© que aparecem os primeiros e melhores clientes do projeto.

Piscina Olímpica

Piscina com raia de dimens√£o igual ou superior a 50 metros.

Piscina Semiolímpica

Piscina com raia de dimens√£o igual ou superior a 25 metros.

Piso Drenante

Aquele que permite a infiltração de águas pluviais, no solo, através de no mínimo, 20% de sua superfície por metro quadrado.

Pivotante

Termo utilizado para designar o tipo de abertura de portas e janelas realizado em torno de um eixo fixo vertical.

Plano de Comprometimento de Renda – PCR

Plano utilizado em financiamentos imobili√°rios que limita a, no m√°ximo, 30% o emprego da renda familiar nas presta√ß√Ķes.

Plano de Equivalência Salarial por Categoria Profissional РPES/CP

Plano que estabelecia o reajuste de presta√ß√Ķes de financiamentos imobili√°rios do SFH, de acordo com o reajuste salarial concedido √† categoria profissional do mutu√°rio. Foi adotado de 1984 a 1993.

Planta

Representação geométrica ou gráfica da projeção de um plano, da parte ou do todo de uma edificação.

Planta Baixa

Representação geométrica ou gráfica da projeção horizontal de uma edificação, vista no sentido do teto para o piso, em toda sua extensão.

Planta de Localização

Representação gráfica da posição exata de um terreno, e que compreende a região onde ele está localizado, com ruas e terrenos vizinhos.

Pool de Locação

Conjunto de unidades de um flat, long stay ou hotel disponíveis para hospedagem ou locação temporária. Todas as unidades pertencentes ao pool de locação de um empreendimento, têm decoração, mobília e equipamentos de mesmo padrão. Os proprietários dessas unidades, os investidores, poderão ter renda com base em rateio da receita mensal obtida pela locação de todas as unidades participantes do sistema. O pool normalmente é gerenciado por uma administradora especializada.

Porcelanato

Produto cer√Ęmico com caracter√≠sticas especiais, resultantes da fabrica√ß√£o, que inclui maior quantidade de mat√©ria-prima de qualidade e queimas em temperaturas altas ‚Äď entre 1.200 e 1.250 ¬ļC. √Č super-resistente, tem porosidade muito baixa (at√© 0,5% de absor√ß√£o de √°gua) e suporta melhor o tr√°fego intenso do que a cer√Ęmica tradicional. √Č mais forte que muitas pedras, quanto √† resist√™ncia ao desgaste e √†s manchas.

Pórtico

Porta principal, portal. Local coberto, geralmente √† entrada de um edif√≠cio, cujo teto ou ab√≥bada s√£o sustentados por colunas e viga ou por arcada. Estrutura que define um √ļnico v√£o, delimitando as entradas mais importantes de uma edifica√ß√£o.

Pós-venda

Atendimento e relacionamento com o cliente na fase posterior à venda, com objetivo de avaliar, por exemplo, seu grau de satisfação em relação ao produto ou serviço adquirido.

Posse Definitiva

√Č aquela transferida pelo vendedor, ao comprador, de forma irrevers√≠vel, o que usualmente ocorre quando o pre√ßo √© integralmente pago.

Posse Prec√°ria

Posse injusta que nasce do abuso de confiança (ex.: o inquilino que não devolve a casa ao término da locação).

Posse Provisória

Posse exercida em caráter provisório, temporário.

Prazo de Financiamento

Espaço de tempo convencionado para a realização de um financiamento.

Prédio

Ver edifício.

Pré-lançamento

Fase que precede o lan√ßamento oficial de um projeto imobili√°rio, sem presen√ßa maci√ßa na m√≠dia, divulgado apenas a um p√ļblico restrito. No pr√©-lan√ßamento, geralmente a comercializa√ß√£o ainda n√£o foi iniciada, mas pode-se reservar unidades para compra futura.

Prestação

Pagamento a prazo para liquidar uma d√≠vida. √Č tamb√©m a pr√≥pria quantia em dinheiro paga periodicamente. No caso dos financiamentos imobili√°rios, as presta√ß√Ķes s√£o compostas de uma parcela de amortiza√ß√£o e outra de juros, mais as parcelas do seguro pessoal e do im√≥vel.

Pro Soluto

Quando o t√≠tulo, por exemplo uma nota promiss√≥ria, equivale ao pagamento, por n√£o est√° vinculado a nenhum neg√≥cio. Nas transa√ß√Ķes imobili√°rias se o alienante aceitar as Notas Promiss√≥rias a t√≠tulo ‚Äúpro soluto‚ÄĚ, a garantia da d√≠vida n√£o ser√° o pr√≥prio im√≥vel e sim as pr√≥prias notas promiss√≥rias, que dever√£o ser executadas para receber o valor devido.

Pro Solvendo

Quando o pagamento de um t√≠tulo, por exemplo uma nota promiss√≥ria, s√≥ estar√° real e efetivamente quitado depois de resgatado o referido t√≠tulo, por estar vinculado ao neg√≥cio. Nas transa√ß√Ķes imobili√°rias, caso o alienante aceite o t√≠tulo ‚Äúpro solvendo‚ÄĚ, em escritura com cl√°usula resolutiva expressa, configurar√° um neg√≥cio jur√≠dico a ser saldado, n√£o se podendo falar, neste caso, em quita√ß√£o do pre√ßo e, no caso de inadimpl√™ncia o pr√≥prio im√≥vel √© a garantia da d√≠vida.

Procon

Sigla de Coordenadoria de Proteção e Defesa do Consumidor. Ver também Código de Defesa do Consumidor.

Procuração

Documento através do qual uma pessoa, no caso o mandante, concede à outra, no caso procuradora(r), incumbência e poderes para tratar de negócios em seu nome, inclusive administrar um imóvel ou cobrar aluguéis. A procuração pode ser redigida de próprio punho, datilografada ou digitada, sendo obrigatório o reconhecimento da firma do mandante para sua validade.

Projeto

Plano geral de uma edifica√ß√£o. Re√ļne plantas, cortes, eleva√ß√Ķes e detalhamento de cada uma das √°reas de atua√ß√£o na constru√ß√£o, assim como instala√ß√Ķes, el√©trica e hidr√°ulica; arquitetura; paisagismo, dentre outros.

Projeto Aprovado

Projeto que já passou por todas as etapas de aprovação junto aos órgãos da prefeitura e tem autorização para ser registrado no Cartório de Imóveis, o que permitirá sua incorporação e construção.

Projeto Arquitet√īnico

Projeto elaborado por um arquiteto para dar forma arquitet√īnica a todos os elementos de uma edifica√ß√£o, obedecendo √†s normas t√©cnicas vigentes e condi√ß√Ķes de conforto e ambienta√ß√£o de cada uma das suas partes.

Projeto das Instala√ß√Ķes El√©tricas

Estudo planejado, com plantas e desenhos, elaborados de acordo com as normas t√©cnicas vigentes, necess√°rias √† execu√ß√£o das instala√ß√Ķes el√©tricas de uma edifica√ß√£o.

Projeto das Instala√ß√Ķes Hidr√°ulicas

Diz-se do estudo planejado, com plantas, desenhos, rela√ß√£o de materiais e outros detalhes necess√°rios √† execu√ß√£o das instala√ß√Ķes, passagem de √°gua fria e/ou quente em uma edifica√ß√£o.

Projeto Executivo

Conjunto dos elementos necess√°rios e suficientes √† execu√ß√£o completa da obra. Est√°gio da obra em que a construtora detalha todos os projetos executivos, como projetos de funda√ß√Ķes, estrutura, el√©trica, hidr√°ulica, e.t.c. √Č o momento em que se realiza o chamado ‚Äúajuste fino‚ÄĚ de todos os aspectos que ir√£o envolver a constru√ß√£o. Nessa fase, o edif√≠cio √© analisado de forma t√©cnica e sist√™mica: cada projeto representa um subsistema do amplo e complexo sistema global, cujas partes se relacionam entre si.

Projeto na Planta

Ver imóvel na planta.

Projeto Paisagístico

Projeto ambiental para decorar as áreas comuns do empreendimento. Estudo dos processos de preparação e realização da paisagem como complemento da arquitetura.

Promiss√°rio

√Č quem recebe a promessa de transferir uma propriedade; im√≥vel.

Promitente

Pessoa que assume uma responsabilidade legal.

Proponente

Pessoa que apresenta, na institui√ß√£o financeira. um pedido para obter financiamento. O que prop√Ķe, quem faz uma proposta.

Prumada

Conjunto de peças ou elementos iguais de um edifício, considerados em seu alinhamento vertical. Exemplos: prumada hidráulica, prumada dos elevadores, prumada das escadas e.t.c.

Pulmão de Segurança

Na Arquitetura, utiliza-se o termo para o conjunto de dois port√Ķes, geralmente instalados pr√≥ximos e paralelos, junto ao acesso de pedestres e/ou ve√≠culos de um empreendimento. O sistema visa identifica√ß√£o com maior seguran√ßa dos funcion√°rios, moradores, visitantes e prestadores de servi√ßos do condom√≠nio, antes deles adentrarem, de fato, √† edifica√ß√£o. O primeiro port√£o √© aberto para o pr√©-acesso, mas a abertura do segundo port√£o somente √© liberada ap√≥s a identifica√ß√£o do usu√°rio ou visitante e mediante a permiss√£o de entrada.

Quadra Poliesportiva

Quadra cujo piso tem marca√ß√£o para a pr√°tica de v√°rios esportes, geralmente futebol, basquete e v√īlei.

Quadra Recreativa

Quadra destinada à recreação, podendo ou não ter marcação para jogos.

Quitação

O ato de quitar, pagar integralmente, uma d√≠vida. √Č tamb√©m a declara√ß√£o de que a d√≠vida foi inteiramente paga, atrav√©s de recibo de pagamento, termo de quita√ß√£o e/ou outros documentos. Ato escrito no qual o credor declara ter recebido do devedor o pagamento da d√≠vida, liberando-o dessa obriga√ß√£o.

Quórum

N√ļmero m√≠nimo de pessoas necess√°rio para realizar uma Assembleia Deliberativa, como numa assembleia de cond√īminos.

Quota

Ativo que representa a menor parcela do capital do fundo. Somando-se todas as quotas, tem-se o patrim√īnio do fundo. Parte ideal de um fundo ou clube de investimento, cujo valor √© igual √† divis√£o de seu patrim√īnio l√≠quido pelo n√ļmero existente de quotas.

Raia para Natação

Linha de demarca√ß√£o com largura e comprimentos espec√≠ficos, que permite a pr√°tica de nata√ß√£o em uma piscina ‚Äď competi√ß√Ķes, aulas ou treinos. Cada uma das divis√Ķes longitudinais, marcadas com cordas, boias ou outra sinaliza√ß√£o, que divide a extens√£o de uma piscina.

Reajuste

Aplicação de juro e correção monetária, ao saldo devedor e ao encargo mensal, de acordo com o índice estipulado em contrato.

Recebível

Certificados de recebíveis imobiliários. Securitização.

Recuo

Espa√ßo livre entre as divisas de um terreno e a sua constru√ß√£o, exigido pela prefeitura e/ou definido pelo projeto arquitet√īnico.

Reforma

Ato ou efeito de reformar, reparar, restaurar, melhorar ou modificar. Obra que implica em uma ou mais das seguintes modifica√ß√Ķes, com ou sem altera√ß√£o de uso: √°rea edificada, estrutura, compartimenta√ß√£o vertical, volumetria.

Reforma do Edifício

Conjunto de obras realizadas em um prédio, visando sua reparação e/ou melhoria.

Registro de Imóveis

Inscri√ß√£o do documento relativo √† propriedade de um im√≥vel, no registro competente, para que o direito de propriedade tenha validade legal. O Registro de Im√≥veis √© o documento em que se realizam todas as mudan√ßas, altera√ß√Ķes e extin√ß√Ķes dos direitos referentes ao im√≥vel, com car√°ter de autenticidade. Em outras palavras, o documento, al√©m de estabelecer o direito de propriedade, arquiva o hist√≥rico completo do im√≥vel. Cart√≥rio especial onde s√£o praticados todos os atos relativos √† constitui√ß√£o, declara√ß√£o, transfer√™ncia ou extin√ß√£o de direitos reais sobre os im√≥veis.

Registro de Incorporação РRI

Pouco conhecido, mas fundamental para o esclarecimento de informa√ß√Ķes sobre um empreendimento, o Registro de Incorpora√ß√£o, nada mais √© sen√£o um documento em que se descreve as caracter√≠sticas de um projeto de habita√ß√£o. Pelo RI voc√™ se informa sobre o memorial descritivo, as condi√ß√Ķes da constru√ß√£o, todas as possibilidades de distribui√ß√£o de c√īmodos, e.t.c. √Č um documento muito importante, sendo proibida a comercializa√ß√£o do im√≥vel que n√£o possuir.

Relatório Anual

Conjunto de informa√ß√Ķes que os administradores das companhias fornecem a acionistas, analistas de investimentos, credores e comunidade em geral. O relat√≥rio anual abrange, em tese, os seguintes documentos da administra√ß√£o:

a) relat√≥rio da administra√ß√£o; | b) demonstra√ß√Ķes financeiras, com notas explicativas; | c) parecer do Conselho Fiscal; | d) parecer do auditor independente.

Instrumento com forte poder de comunicação, por ser mais descritivo e menos técnico do que os demais documentos. No relatório anual pode-se prestar contas dos atos praticados e apresentar perspectivas sobre desempenhos futuros das companhias.

Ren√ļncia de Direito de Prefer√™ncia

Desist√™ncia do direito de prefer√™ncia que a lei concede aos inquilinos ou aos cond√īminos (quando o bem for indivis√≠vel), para exercer a compra de um im√≥vel.

Ren√ļncia de Usufruto

Ato voluntário do usufrutuário em que desiste do direito de usar e gozar durante certo tempo, sob certa condição ou vitaliciamente de bens pertencentes a outra pessoa.

Reparo

Obra ou serviço destinado à manutenção de um edifício, sem implicar em mudança de uso, acréscimo ou supressão de área, alteração da estrutura, da compartimentação horizontal ou vertical, da volumetria e dos espaços destinados à circulação, iluminação e ventilação.

Repasse Imobili√°rio

Revenda do financiamento de casa, apartamento ou o imóvel que se estava adquirindo, para um novo comprador. Isso permite que a dívida mude de dono, com prévia aprovação da instituição financeira na qual ela foi assumida.

Rescis√£o

Rompimento ou anulação de um contrato.

Reserva de Propriedade

Direito dado ao vendedor, em compromissos de compra e venda, de se manter propriet√°rio do bem que est√° sendo vendido, at√© que o comprador cumpra as obriga√ß√Ķes previstas no contrato. Nos contratos de compra e venda, o vendedor tem o direito de reservar, para si, a propriedade do bem alienado, at√© o cumprimento total ou parcial das obriga√ß√Ķes da outra parte.

Responsabilidade Social Empresarial

Forma de gest√£o que se define pela rela√ß√£o √©tica e transparente da empresa com todos os p√ļblicos que se relaciona e tamb√©m pelo estabelecimento de metas empresariais compat√≠veis com o desenvolvimento sustent√°vel da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para gera√ß√Ķes futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redu√ß√£o das desigualdades sociais.

Restauro ou Restauração

Recuperação de edificação, móvel ou objeto, de modo a restituir-lhe as características originais.

Retrovenda

Em contrato de compra e venda de imóvel, cláusula segundo a qual o vendedor reserva o direito de recomprar o bem, em certo prazo, sob a condição de restituir ao comprador o preço, bem como todos os gastos efetuados no imóvel, como melhorias, por exemplo.

Revenda

Ato ou efeito de revender, ou seja, vender o que se comprou.

Revisional

O mesmo que ação revisional.

SAC (1)

Sigla de Servi√ßo de Atendimento ao Consumidor. Funciona como canal de comunica√ß√£o entre a empresa e seus clientes. Atende sugest√Ķes e/ou reclama√ß√Ķes dos consumidores e dinamiza o fluxo interno dessas informa√ß√Ķes.

SAC (2)

Sigla de Sistema de Amortiza√ß√£o Constante. Ao contr√°rio do sistema pela Tabela Price – TP, no Sac as presta√ß√Ķes iniciais s√£o mais altas, mas as amortiza√ß√Ķes do saldo devedor s√£o constantes, uma vez que uma parcela fixa da presta√ß√£o vai abatendo o saldo da d√≠vida, e √© sobre ele, cada vez menor, que se aplicam os juros. Isso faz com que o valor pago de juros e as presta√ß√Ķes tornem-se decrescentes ao longo do tempo.

Sistema de Amortização Crescente РSacre

Esse tipo de amortiza√ß√£o √© bem semelhante ao Sistema de Amortiza√ß√£o Constante – Sac. Utilizado pela Caixa Econ√īmica Federal ‚Äď Cef e alguns bancos privados. As presta√ß√Ķes iniciais s√£o mais altas e decrescem ao longo do tempo. A √ļnica diferen√ßa em rela√ß√£o ao Sac √© que a Taxa Referencial ‚Äď TR entra nos c√°lculos posteriormente, fazendo com que a amortiza√ß√£o n√£o seja constante e sim vari√°vel.

Saldo Devedor

O que resta pagar de uma dívida. Nos financiamentos imobiliários, é reajustado mensalmente de acordo com o índice e a taxa de juros estipulados em contrato.

Saldo Residual

√Č o que resta a mais ou a menos de uma d√≠vida, quando vencido o prazo contratado. Se o saldo √© negativo (por exemplo, R$ 847), o mutu√°rio pagou a mais e deve receber a quantia de volta. Se positivo, o mutu√°rio pagou a menos, por erros de c√°lculo e ainda deve ao credor.

Salubridade

Condi√ß√£o que uma edifica√ß√£o deve proporcionar a fim de garantir a sa√ļde de seus ocupantes, por meios adequados de ventila√ß√£o, ilumina√ß√£o, conforto e manuten√ß√£o.

Securitização

Convers√£o de empr√©stimos banc√°rios e outros ativos em t√≠tulos (securities, em ingl√™s) para vend√™-los a investidores. A institui√ß√£o que fez o empr√©stimo vende-o a uma empresa securitizadora. Com lastro nesse cr√©dito, a securitizadora emite ‚Äúcertificados de receb√≠veis imobili√°rios‚ÄĚ, ou simplesmente receb√≠veis, postos √† venda para investidores. A securitiza√ß√£o do cr√©dito imobili√°rio pode ser feita quando a institui√ß√£o financeira o concedeu de acordo com a lei n.¬ļ 9.514, que criou o Sistema de Financiamento Imobili√°rio – SFI.

Seguro de Danos Físicos ao Imóvel РDFI

Apólice obrigatória, junto com a de Morte e Invalidez permanente РMip, quando se contrai financiamento com uma instituição financeira. O DFI, que cobre danos causados por incêndio, inundação etc., é pago em parcelas ao longo de todo o financiamento.

Seguro de Morte e Invalidez Permanente – Mip

Apólice obrigatória, como a de Danos Físicos ao Imóvel РDFI, ao se contrair financiamento com uma instituição financeira. Se duas pessoas contraíram um financiamento imobiliário e uma delas falece, a companhia seguradora paga o saldo devedor proporcionalmente.

Seguro Fiança

Seguro que substitui o fiador nos contratos de locação e garante antecipadamente o pagamento do aluguel e dos encargos.

Seguro Incêndio

Contrato no qual a seguradora garante uma indeniza√ß√£o para os riscos de inc√™ndio, raios ou explos√£o no im√≥vel, para garantir a seguran√ßa do patrim√īnio do propriet√°rio. No geral, as imobili√°rias condicionam a loca√ß√£o do im√≥vel ao pagamento deste seguro.

Seixos

Pequenas pedras arredondadas de forma variável, conforme a procedência. As naturais, colhidas em leitos de rio, ganham seu perfil pelo efeito do movimento das águas, enquanto outras são resultado de processo industrial. Fixos ou soltos, os seixos são muito comuns na composição do paisagismo.

Sequestro

Ato de apreender ou depositar um ou mais bens, sobre os quais pese lit√≠gio (pend√™ncias, discord√Ęncias entre as partes – autor e r√©u), como forma de garantir que sejam entregues, no final de um processo, a quem lhes seja destinado por direito.

Serviços Básicos

Aqueles oferecidos aos cond√īminos e inclusos na taxa condominial. Exemplos: limpeza das √°reas comuns, servi√ßo de portaria, manuten√ß√£o de elevadores etc.

Serviços Opcionais

Aqueles oferecidos aos cond√īminos, n√£o inclusos na taxa condominial, e cobrados apenas quando efetivamente utilizados (sistema pay per use).

Sinal

Quantia ou valor que o comprador entrega ao vendedor para assegurar a conclus√£o do neg√≥cio e com a fun√ß√£o de primeira parcela. Sin√īnimo de entrada e arras.

Sindicato das Empresas de Compra, Venda e Administra√ß√£o de Im√≥veis ‚Äď Secovi

Tem como miss√£o, desenvolver, representar, promover e defender a atividade imobili√°ria em seus segmentos, dentro de padr√Ķes reconhecidamente √©ticos e comprometidos com os anseios da coletividade.

Síndico

Morador eleito pelos cond√īminos para administrar o im√≥vel e defender os interesses do conjunto de moradores.

Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo РSBPE

Carta de cr√©dito que utiliza recursos pr√≥prios de modo a facilitar a aquisi√ß√£o de um im√≥vel por parte de seus clientes. √Č um modelo de financiamento muito utilizado, j√° que ele n√£o possui limite de renda e prev√™ um tempo de quita√ß√£o de 35 anos. Antes de tomar a decis√£o de comprar um im√≥vel, √© v√°lido analisar todas as op√ß√Ķes de financiamento dispon√≠veis, buscando a que mais se enquadra no seu perfil de compra. O SBPE √© apenas uma das muitas possibilidades √† disposi√ß√£o do comprador.

Sistema de Amortização Constante РSac

Método de pagamento de uma dívida em que a parcela de amortização (um dos componentes da prestação) é constante e a parcela de juros, que incide sobre o saldo devedor, é decrescente ao longo do prazo de financiamento.

Sistema de Amortização Crescente РSacre

M√©todo de c√°lculo e reajuste de presta√ß√Ķes de financiamento, o Sacre √© muito parecido com o Sistema de Amortiza√ß√£o Constante. A diferen√ßa est√° no modo de aplicar a Taxa Referencial – TR √† f√≥rmula que define a presta√ß√£o, provocando a varia√ß√£o da amortiza√ß√£o.

Sistema de Amortização Francês

Ver Tabela Price.

Sistema de Amortização Misto РSam

Modo de c√°lculo de presta√ß√Ķes de financiamentos que utiliza a m√©dia aritm√©tica da presta√ß√£o calculada pela Tabela Price e pelo Sistema de Amortiza√ß√£o Constante – Sac.

Sistema de Financiamento Imobili√°rio – SFI

Criado em 1997 pela lei n.¬ļ 9.514 (20/11/1997) como alternativa ao Sistema Financeiro da Habita√ß√£o e √† Carteira Hipotec√°ria, o sistema autoriza a securitiza√ß√£o dos cr√©ditos imobili√°rios e introduz a aliena√ß√£o fiduci√°ria no mercado imobili√°rio.

Sistema Financeiro da Habitação РSFH

Criado pela lei federal n¬ļ 4.320 de 04/08/1964, o SFH tem como objetivo a capta√ß√£o de recursos a juros baixos (oriundos dos dep√≥sitos em caderneta de poupan√ßa e do FGTS) para repasse √† √°rea habitacional, na forma de financiamento para a produ√ß√£o de im√≥veis e a compradores da casa pr√≥pria. Pelas regras do SFH, o im√≥vel tem que ser para uso pr√≥prio do mutu√°rio, sendo permitida a utiliza√ß√£o do FGTS para abatimento da d√≠vida; o valor m√°ximo de financiamento √© de R$ 150 mil; o candidato √† compra n√£o pode ter outro im√≥vel financiado e a taxa de juros √© de no m√°ximo 12% ao ano. A garantia do banco √© a hipoteca do im√≥vel.

Sistema de Financiamento Imobili√°rio – SFI

Criado pela lei federal n¬ļ 9.514 de 20/11/1997, como uma alternativa ao Sistema Financeiro de Habita√ß√£o e √† Carteira Hipotec√°ria. Os recursos do SFI prov√™m da capta√ß√£o dos pr√≥prios bancos e da securitiza√ß√£o. Pode ser usado no financiamento de im√≥veis usados, na planta e em constru√ß√£o, n√£o havendo limite para faixa de cr√©dito. √Č permitida a utiliza√ß√£o do FGTS na quita√ß√£o total do saldo devedor e a taxa de juros √© de no m√°ximo 12% ao ano. A garantia do banco √© a hipoteca ou a aliena√ß√£o fiduci√°ria do im√≥vel.

Sistema Financeiro da Habitação РSFH

Sistema criado em 21/8/1964 pela lei n.¬ļ 4.320, a fim de captar recursos para a √°rea habitacional e financiar a constru√ß√£o e a compra da casa pr√≥pria.

Sistema Financeiro Nacional

Conjunto formado pelo Conselho Monet√°rio Nacional (CMN), pelo Banco Central do Brasil, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econ√īmico e Social (BNDES), pelo Banco do Brasil e pelas institui√ß√Ķes financeiras p√ļblicas e privadas.

Sistema Fotovoltaico

Sistema de energia solar usada para iluminação dos empreendimentos. Consiste na colocação de postes com painéis solares que acumulam a energia durante o dia para usá-la à noite.

Sistema Francês de Amortização

O mesmo que Tabela Price.

Sobrado

Casa de dois ou mais pavimentos.

Stand de Vendas

Ver Estande de vendas.

Subscri√ß√£o de A√ß√Ķes

Lan√ßamento de novas a√ß√Ķes por uma sociedade an√īnima, com a finalidade de aumentar o capital e obter os recursos necess√°rios para investimento.

Subscrição de Quotas

Ato de comprometimento de investimento máximo por parte do investidor. A subscrição das quotas acarreta em sua integralização, não necessariamente em sua totalidade, durante o período de investimentos do Fundo.

Subsolo

Parte da construção localizada abaixo do andar térreo, que nos edifícios geralmente abriga as vagas de garagem.

Suíte

Ambientes contíguos, composto por dormitório e banheiro.

Suíte-master

A su√≠te principal de uma casa ou apartamento. Aquela que possui maiores dimens√Ķes em rela√ß√£o √†s outras, e geralmente incluem closet e banheira de hidromassagem. A su√≠te master ainda pode contar com sala √≠ntima, dois closets e dois banheiros.

Tabela Price – TP

M√©todo de c√°lculo das presta√ß√Ķes de financiamentos que tem, como os outros sistemas, duas parcelas: uma de amortiza√ß√£o e outra de juros. Ao longo do prazo de financiamento, a primeira aumenta e a segunda decresce. A Tabela Price √© tamb√©m chamada Sistema Franc√™s de Amortiza√ß√£o.

T√°bua Corrida

Denominação utilizada para assoalhos de madeira, especialmente quando se trata de tábuas mais largas. Composto por réguas de madeira maciça, de 2cm de espessura em média e diferentes medidas.

Taco de Madeira

Revestimento para pisos composto de placas de tamanhos variados, feitas de madeiras nativas (jatobá, perobinha, ipê e pau-marfim) ou de reflorestamento, como o eucalipto. Tem custo menor que os assoalhos de tábua corrida, apesar de utilizar materiais semelhantes.

Taxa de Administração

Taxa cobrada pela institui√ß√£o gestora pela administra√ß√£o de um fundo de investimento. √Č cobrada para suprir as despesas operacionais, correntes, relativas √† gest√£o do portf√≥lio do Fundo. Incluem-se, nestas despesas, a remunera√ß√£o da equipe de analistas, despesas de viagens, escrit√≥rios e instala√ß√Ķes necess√°rias para um correto

Taxa de Condomínio

Maneira usual de se referir √† taxa ou encargo de condom√≠nio. A taxa de condom√≠nio resulta do rateio das despesas comuns em uma divis√£o de acordo com as propor√ß√Ķes, ou cota, de cada im√≥vel. Despesa que deve ser paga por cada cond√īmino, resultante do rateio da previs√£o mensal de gastos comuns no condom√≠nio. A taxa √© cobrada de cada cond√īmino proporcionalmente √† sua quota no im√≥vel (fra√ß√£o ideal de terreno).

Taxa Efetiva

√Č a taxa resultante da aplica√ß√£o peri√≥dica do juro previsto na taxa nominal. Por exemplo, a uma taxa nominal de 12% ao ano, a taxa efetiva ser√° de 1% ao m√™s. Como a aplica√ß√£o desse percentual √© feita m√™s a m√™s, juro sobre juro, a taxa total, no final de um ano, n√£o ser√° mais os 12% contratados, e sim 12,68%.

Taxa Nominal

√Č a taxa de juro firmada em contrato que se acrescentar√° √†s presta√ß√Ķes. Nos contratos de financiamento imobili√°rio pelo SFH, por exemplo, a taxa nominal m√°xima √© de 12%. Veja taxa efetiva.

Taxa Real

√Č aquela que elimina o efeito da infla√ß√£o no per√≠odo. Dependendo dos casos, a taxa real pode assumir valores negativos. Podemos afirmar que a taxa real corresponde √† taxa efetiva, corrigida pelo √≠ndice inflacion√°rio do per√≠odo.

Taxa referencial – TR

Definida todo m√™s pelo Banco Central de acordo com a remunera√ß√£o m√©dia das aplica√ß√Ķes banc√°rias. √Č a refer√™ncia para reajustes da caderneta de poupan√ßa e de diversos tipos de contrato e d√≠vida, inclusive financiamentos imobili√°rios.

Taxa Selic Sistema Especial de Liquidação e Custódia

√Č a mais conhecida pelos brasileiros. √Č utilizada sobretudo por institui√ß√Ķes financeiras e diferentes setores do com√©rcio para aplicar taxas de juros em cima de cobran√ßas. √Č relevante tamb√©m para um comprador e investidor imobili√°rio saber se ter√° sucesso na busca por um financiamento que se enquadre em suas necessidades. Uma Taxa Selic alta encarece a distribui√ß√£o de cr√©dito, dificultando as chances de um financiamento, j√° que os juros costumam aumentar.

Terreno

√Ārea onde ser√£o constru√≠das edifica√ß√Ķes ou que servir√° para a agricultura ou a pecu√°ria. √Č um bem im√≥vel, como as casas e os apartamentos.

Terreno edificado

Terreno com construção.

Tombamento

Conjunto de a√ß√Ķes realizadas pelo poder p√ļblico, com o objetivo de preservar, atrav√©s da aplica√ß√£o de legisla√ß√£o espec√≠fica, bens de valor hist√≥rico, cultural, arquitet√īnico, ambiental e tamb√©m de valor afetivo para a popula√ß√£o, impedindo que venham a ser destru√≠dos ou descaracterizados. O Tombamento pode ser feito pela Uni√£o, pelo Governo Estadual ou pelas administra√ß√Ķes municipais, utilizando leis espec√≠ficas ou a Legisla√ß√£o Federal.

TP

Ver Tabela Price.

TR

Sigla de Taxa Referencial, divulgada mensalmente pelo Banco Central, com base na remunera√ß√£o m√©dia das aplica√ß√Ķes banc√°rias. ATR √© utilizada como indexador da caderneta de poupan√ßa, d√©bitos fiscais, contratos privados, etc. Trata-se tamb√©m de um √≠ndice aplicado com frequ√™ncia nos reajustes de presta√ß√Ķes dos contratos de financiamento imobili√°rio.

Transmiss√£o

Cada uma das transfer√™ncias de propriedade, de direitos ou de obriga√ß√Ķes entre pessoas ou por heran√ßa.

Tributo

Impostos, taxas e contribui√ß√Ķes de melhoria que pode ser cobrado dos cidad√£os pela Uni√£o, estados, munic√≠pios e Distrito Federal.

Tutela

Ato jurídico pelo qual alguém é designado para administrar os bens de pessoa menor e representá-lo nos atos da vida civil.

Tutelado

Pessoa sujeita à tutela, proteção, amparo.

Tutor

Pessoa designada para exercer a tutela.

Unidade Aut√īnoma

Parte de uma edifica√ß√£o. residencial ou n√£o, vinculada √† uma fra√ß√£o ideal de terreno. √Č constitu√≠da de depend√™ncias e instala√ß√Ķes de uso privativo e de parcela de depend√™ncias e instala√ß√Ķes de uso comum.

Usucapi√£o

Aquisi√ß√£o de um im√≥vel por se estar de posse dele de 10 a 20 anos, em diferentes situa√ß√Ķes legais.

Usufruto

1. Direito dado a uma pessoa de usar um bem que não é seu e usufruir os frutos, aquilo que esse bem produz. Caso se trate de imóvel, o usufruto deve ser inscrito no Cartório de Registro de Imóveis. | 2. Ato ou efeito de usufruir. | 3. Gozo dos frutos e da renda de um bem pertencente a outra pessoa. A duração do usufruto não pode exceder à duração da vida de seu beneficiário.)

Usufrutu√°rio

Aquele que recebe o usufruto.

Valor Atual

Import√Ęncia equivalente, hoje, √†s quantias que ser√£o recebidas ou pagas no futuro, descontando-se a taxa de juros que ser√° aplicada ao longo do prazo de pagamento. O mesmo que valor presente.

Valor Comprometido

Valor máximo que o investidor se compromete a integralizar no Fundo. Integralização esta que se dará conforme forem sendo feitas as chamadas de capital pelo administrador, mediante aprovação do Comitê de Investimentos do Fundo e que têm que ocorrer no período de investimentos do Fundo.

Valor de Mercado

Valor de compra e venda que um imóvel atinge na prática. Representa o valor de compra e venda de um determinado imóvel, pela interação de oferta e procura. Valor que decorre das leis de mercado e que é atribuído por especialistas no setor.

Valor Futuro

Import√Ęncia equivalente √†s quantias que ser√£o recebidas ou pagas no futuro, obtida incluindo-se a taxa de juros que ser√° aplicada ao longo do prazo de pagamento. Vale lembrar que n√£o √© poss√≠vel calcular a corre√ß√£o monet√°ria antecipadamente.

Valor Geral de Vendas – VGV

Soma dos preços de vendas de todas as unidades de um empreendimento. Muito importante para as construtoras, é um índice que calcula a viabilidade do projeto tomando como referência o valor potencial de venda de todas as unidades que o empreendimento pretende comercializar, indicando se haverá algum desempenho no mercado imobiliário. O VGV também é relevante para o investidor, uma vez que ele pode querer alugar o imóvel depois de adquiri-lo como lançamento. Pode ser fundamental antes de uma decisão sobre a viabilidade comercial de um imóvel.

Valor Locativo

Valor estimado do aluguel de um imóvel.

Valor Mobili√°rio

Todo investimento em dinheiro ou em bens suscet√≠veis de avalia√ß√£o monet√°ria, realizado pelo investidor em raz√£o de uma capta√ß√£o p√ļblica de recursos, de modo a fornecer capital de risco a um empreendimento, em que ele, o investidor, n√£o tem inger√™ncia direta, mas do qual espera obter ganho ou benef√≠cio futuro.

Valor Nominal

Valor expresso em um título, cuja quantia está determinada e certa. O valor nominal não é corrigido para compensar o efeito da inflação. Em um título de crédito, o valor nominal é a quantia que deve ser paga.

Valor Presente

Ver valor atual

Valor Real

Valor que tenha sido corrigido para compensar o efeito da inflação (correção monetária). Valor do bem em si, independente de convenção ou arbítrio.

Valor Venal

Valor atribuído pela prefeitura, a cada imóvel, levando em conta sua metragem, localização, destinação e características. Literalmente, valor venal significa valor de venda.

Valorização

Aumento do valor de mercado de um determinado im√≥vel ou no. A valoriza√ß√£o pode ocorrer em fun√ß√£o de v√°rios fatores, como revitaliza√ß√£o e aumento de lan√ßamentos imobili√°rios na regi√£o, momento favor√°vel da atividade econ√īmica do pa√≠s, melhoras urban√≠sticas e arquitet√īnicas no local, assim como outros investimentos p√ļblicos e/ ou privados.

Velocidade de Vendas

√ćndice calculado a partir da rela√ß√£o entre o n√ļmero de unidades dispon√≠veis e o n√ļmero de vendas efetuadas dentro de um per√≠odo.

Vendas Contratadas

O valor total de todos os contratos das vendas de unidades assinados em determinado período, incluindo unidades novas e em estoque.

Vícios Ocultos ou Redibitórios

Figura do Direito Civil, Comercial e do Consumidor, aplicada aos contratos que especificam a exist√™ncia de um defeito, de forma oculta no im√≥vel, e do qual o comprador n√£o poderia tomar conhecimento no ato do fechamento e que torna o seu uso imprest√°vel ou impr√≥prio ou ainda que garante a redu√ß√£o do valor pago. √Č, portanto, uma lei que garante e protege o adquirente, independente de previs√£o contratual.

Vinten√°ria

√Č a certid√£o emitida pelo Cart√≥rio de Registro de Im√≥veis contendo o hist√≥rico do im√≥vel nos 20 anos anteriores.

Vista Eterna

Diz-se da vista voltada para área de casas em zoneamento Z1, ou seja, de características estritamente residenciais e onde não é permitida a verticalização (construção de prédios).

Vistoria de Imóvel

1. Inspe√ß√£o feita pela prefeitura para verificar se o im√≥vel est√° de acordo com o projeto que foi aprovado. | 2. Inspe√ß√£o onde os peritos designados pelos agentes financeiros (bancos) efetuam √†s obras ou im√≥veis financiados por essas institui√ß√Ķes. | 3. Inspe√ß√£o feita por corretores de im√≥veis, para fins de loca√ß√£o, venda ou para atender demanda judicial, como por exemplo, quest√Ķes de Invent√°rio.

Zang√£o

Jarg√£o do mercado para corretor que opera com t√≠tulos e a√ß√Ķes, sem ser credenciado.

Zerar

Liquidar uma posição em títulos ou obrigação de pagar. Reduzir conta corrente a saldo igual a zero.

Zoneamento

1. Divisão de um município em zonas com características urbanísticas específicas, tais como destinação, tipo de construção e de atividade: residencial, comercial, mista (comercial e residencial), industrial, área de preservação cultural, de preservação de mananciais etc. | 2. Disciplina o uso e a ocupação do solo, as atividades de urbanização, dispondo sobre o parcelamento do solo. | 3. Divisão de um município em zonas com características urbanísticas específicas, como destinação, atividades e tipos de construção permitidos.

Zoneamento urbano

De acordo com a Lei Federal n¬ļ 10257/2001, conhecida como ‚ÄúEstatuto da Cidade‚ÄĚ, todo munic√≠pio brasileiro com mais de 20 mil habitantes, deve ter um plano diretor, que definir√° as formas de desenvolvimento da cidade. O plano diretor estabelece as normas de uso e de ocupa√ß√£o do solo do munic√≠pio, que √© divido em regi√Ķes, ou zonas, que ser√£o destinadas a finalidades espec√≠ficas, tais como residencial, industrial, comercial ou de servi√ßos. Esta divis√£o recebe o nome de ‚Äúzoneamento urbano‚ÄĚ.

Termos Internacionais

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

Waiting for content …

Esperando contenido …

En attente de contenu …

%d blogueiros gostam disto: